tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h03m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Gambelas

00h13m

Atendimento Permanente

Madeira Medical Center

00h01m

Atendimento Permanente

Dr.ª Susana Gomes

Cardiologista

 

Ecocardiograma de sobrecarga farmacológica

HPA Magazine 13


A elevada prevalência de doença coronária (“entupimentos” nos vasos do coração) e consequente isquemia - baixa do fornecimento de oxigénio ao músculo cardíaco -, com angina de peito e enfarte do miocárdio (“ataque cardíaco”), levou ao aparecimento de exames complementares para a sua avaliação e diagnóstico.
O exame “gold standard” para avaliação de doença coronária é a angiografia coronária, o cateterismo cardíaco. No entanto, sendo o cateterismo um exame invasivo deve ser reservado aos pacientes com elevada suspeita de doença coronária e que vão necessitar de revascularização /implantação de stents.
Os exames não invasivos incluem a prova de esforço clássica em tapete rolante ou o ecocardiograma de esforço. Embora sejam muito utilizados e importantes, por vezes não são conclusivos, os seus resultados são duvidosos ou apresentam limitações, nomeadamente em pessoas com algum tipo de dificuldade locomotora. Surge então o ecocardiograma de sobrecarga farmacológica.

 


O que é um ecocardiograma de sobrecarga farmacológica?

O ecocardiograma é um exame realizado com uma sonda que emite ultrassons para obter imagens do coração. Habitualmente é efetuado em repouso. 
Quando necessário, o coração pode ser avaliado em esforço ou em sobrecarga, realizando um ecocardiograma de sobrecarga farmacológica, também conhecido como ecocardiograma de stress, no qual é administrado um medicamento que irá acelerar o coração para simular o esforço físico.
Através deste exame, detetam-se alterações que ocorrem no funcionamento ou na estrutura do coração, tanto a nível do músculo (miocárdio), quanto das válvulas e das artérias coronárias em esforço.

 

Para que serve o exame? Quais as indicações?

O ecocardiograma de sobrecarga farmacológica permite esclarecer se existem zonas do miocárdio que não conseguem trabalhar adequadamente em esforço, o que pode significar que não existe fluxo de sangue suficiente para irrigar essa zona do coração por existirem obstruções nas artérias coronárias.
Este estudo de isquemia do miocárdio pode ser usado tanto nos doentes com suspeita de doença coronária, como no seguimento de doentes já submetidos a procedimentos de revascularização (pós-implantação de stents ou cirurgia de bypass cardíaco). Permite também o estudo da viabilidade do miocárdio após um enfarte, ou seja, identificar zonas do coração que não trabalhem adequadamente em repouso, mas com capacidade de recuperação.
O ecocardiograma de sobrecarga pode ainda ajudar a esclarecer a gravidade de um problema valvular, principalmente na estenose da válvula aórtica com depressão da função do miocárdio.

 

Como é realizado um ecocardiograma de sobrecarga farmacológica?


O ecocardiograma de sobrecarga farmacológica é realizado por uma equipa de profissionais composta pelo médico cardiologista, pelo técnico cardiopneumologista e pelo enfermeiro, todos com vasta experiência nesta área.
O exame é realizado com o doente deitado. É colocado um soro endovenoso através do qual serão administrados os medicamentos que provocam o esforço cardíaco e são colocados elétrodos no peito para monitorização do ritmo cardíaco e realização do electrocardiograma.
A luz na sala é reduzida para que as imagens no ecrã do ecógrafo possam ser visualizadas adequadamente.
No peito, sobre o lado esquerdo, é aplicado um gel transparente no local onde depois é colocada a sonda ou transdutor. Este transdutor emite e recebe um feixe de ultrassons refletidos pelas várias estruturas que são atravessadas, traduzindo-os em imagens presentes no monitor do ecógrafo. São ainda realizadas medições da pressão arterial. 
São obtidas imagens antes, durante e após a administração dos medicamentos que provocam o esforço cardíaco. Ao longo do exame, são gravadas imagens e registado o eletrocardiograma de forma contínua. Por vezes é necessária a administração de um produto de contraste ecográfico.
Durante o exame poderá sentir uma sensação de calor e o coração a bater mais rapidamente e com mais força (palpitações), uma dor de cabeça ligeira, secura da boca, cansaço e uma impressão no peito. Estes efeitos relacionados com o esforço cardíaco são temporários. 
No final do exame, é administrado um antídoto - medicamento que reverte todos efeitos do medicamento que provocou o esforço cardíaco.
Deve contar com pelo menos entre 45-60 minutos para a realização deste exame. 
É dada imediatamente uma informação preliminar. Após a realização do exame deverá contar com mais alguns minutos para recuperação do seu organismo, retornando logo depois à sua rotina diária normal. 

Como deverá preparar-se para o exame?

A realização do ecocardiograma de sobrecarga farmacológica requer um período de jejum prévio de 4 horas, sendo permitido beber uma pequena quantidade de líquidos para tomar os medicamentos. 
Poderá ser necessário suspender alguma medicação 1-2 dias antes do exame de forma a evitar interferência com o ecocardiograma de sobrecarga farmacológica; com a medicação administrada durante o exame.
Os seguintes alimentos são proibidos nas 12 horas antes do exame: café, chá, chocolate, refrigerantes e bebidas alcoólicas, porque podem interferir no resultado e interpretação do exame.

 

Benefícios


O valor diagnóstico do eco de stress é muito superior ao da prova de esforço convencional. No entanto, mesmo com um exame tecnicamente adequado, pode, embora raramente, falhar lesões e diagnósticos.

 

Riscos 


Trata-se de um exame seguro. O risco deste exame existe, mas é pequeno, sendo comparável ao de qualquer esforço mais vigoroso. 
Os ultrassons são inócuos para a saúde, mas a medicação infundida pode provocar alguns efeitos. Os riscos inerentes a este exame incluem desde reações mais frequentes, como alteração na pressão arterial, sensação de mal-estar e alterações do ritmo cardíaco, incluindo arritmias, até situações menos frequentes como reações alérgicas. Estão descritos casos de enfarte agudo do miocárdio e paragem cardíaca, mas são situações extremamente raras. Por isso, como precaução, estão disponíveis meios médicos, assim como equipamentos para tratar eventuais complicações.

 

Atos intervenções alternativas fiáveis e cientificamente reconhecidas


Existem outros exames fiáveis e reconhecidos em alternativa ao Ecocardiograma de sobrecarga, como a cintigrafia miocárdica e a ressonância magnética de sobrecarga, tendo cada um deles vantagens e desvantagens relativamente a este exame. 


Conclusão


O ecocardiograma de sobrecarga farmacológica é um exame que combina uma elevada acuidade diagnóstica, é seguro, não invasivo, de fácil acesso e não utiliza radiações ionizantes.