tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h47m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Gambelas

00h49m

Atendimento Permanente

00h16m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h22m

Atendimento Permanente

00h14m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h27m

Atendimento Permanente

Dr.ª Ivone Lobo

Especialista 
Ginecologia/Obstetrícia e Subespecialista em Medicina Materno-Fetal 
Coordenadora da Maternidade HPA Gambelas

A gravidez e o consumo de café

HPA Magazine 12


Um dos mitos da gravidez é o de que a mulher grávida não deve consumir café. É amplamente aceite que qualquer efeito do café a nível da saúde reprodutiva está ligado mais à cafeína do que ao café em si.
Existe cafeína em diferentes bebidas e alimentos; para além do café também está presente no chá preto, bebidas energéticas, refrigerantes e chocolate. Podemos encontrar cafeína em produtos que nem imaginamos, como por exemplo em alguns cremes cosméticos usados na gravidez.

O consumo de cafeína durante a gravidez é muitas vezes debatido entre os profissionais de saúde em relação aos riscos para o feto. A cafeína é rapidamente absorvida, passa livremente pela placenta e é pouco metabolizada pelo feto. Por aumentar os níveis circulantes de catecolaminas maternos, têm sido levantadas questões sobre a relação entre a exposição à cafeína e complicações da gravidez como abortos espontâneos, restrição do crescimento fetal e parto pré-termo, entre outros.
Como a cafeína atravessa a placenta e aumenta os níveis de catecolaminas maternos, levantou-se a hipótese de que poderia induzir vasoconstrição e hipoxia fetal. No entanto, tem sido demonstrado que a cafeína não causa diminuição no fluxo uterino ou oxigenação fetal. 
Porém, foi verificada uma relação dose dependente entre o consumo excessivo de cafeína durante a gravidez e efeitos adversos. É aconselhado por isso limitar o seu consumo durante este período.
Contudo, não há evidência que o consumo moderado de cafeína durante a gravidez tenha implicações negativas para o desenvolvimento cognitivo e comportamental do feto, referindo as organizações de saúde que o consumo até 200mg de cafeína por dia é seguro.
Portanto, a mulher grávida pode beber café desde que o faça com moderação, tendo em conta a quantidade de cafeína presente nos alimentos/bebidas.


Quantidade de cafeína nas diferentes fontes

Dose máxima aconselhada de 200mg por dia na mulher grávida