tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h40m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Gambelas

00h30m

Atendimento Permanente

00h23m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h26m

Atendimento Permanente

00h17m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h31m

Atendimento Permanente

Dr. Luís Gonçalves

Pediatra e Neonatologista
Coordenador do Departamento 
de Pediatria e Neonatologia

E a hora das refeições é… momento de prazer ou de batalha?

HPA Magazine 12


A alimentação não é apenas uma questão de nutrição, deverá também ser um momento de prazer! Mas nem sempre assim acontece. E para todos nós pais, a hora da refeição pode tornar-se um verdadeiro tormento, para nós e para os nossos filhos.
A regra principal, é saber que não existem regras. No entanto, deverá ser: acreditar que todos vamos conseguir alimentar os nossos filhos, tal como fazem os outros pais e as outras famílias! 

A segunda regra deve ser insistir, insistir e insistir sem obrigar…e nunca desistir! Está provado que são necessárias 8 a 11 tentativas para nos habituarmos a um novo alimento! O sabor doce é inato, no entanto é preciso aprender a gostar dos outros (salgado, ácido, amargo), sendo que isso leva o seu tempo. Hoje poderemos conquistar uma, duas colheres, amanhã serão mais algumas com certeza.



Quando a criança não tem qualquer perturbação neuro motora, não há razão para que não coma conforme o plano alimentar orientado pelo pediatra.
A partir de um ano de idade, a criança está preparada para experimentar “comida da panela”, ou seja, deve ter uma dieta igual à da sua família, desde que pouco condimentada, com pouco sal e gordura e adição de açúcares.
A alimentação e a hora da refeição, em particular, deverão ser para a criança um momento de prazer e aprendizagem. Além disso, mastigar e deglutir é importante para o desenvolvimento facial equilibrado e a linguagem. Durante a refeição os sabores, os odores, as cores e as texturas dos alimentos integram-se, originando uma resposta motora não só para a mastigação e deglutição, mas também neuro sensorial.
Para algumas crianças este processo é fácil e natural, para outras estas misturas de sabores, odores e texturas provocam reações, cujas respostas, poderão ir desde encerrar a boca, colar a língua ao céu da boca, não engolir ou até mesmo provocar o vómito.
A criança está a descobrir os sabores e as preferências, por isso, gostar mais deste ou daquele alimento é natural. De entre todos os que detesta, com certeza que haverá este ou aquele que apenas gosta menos.
Se a mãe já teve uma alimentação diversificada e equilibrada durante toda a gravidez vai ajudar na introdução e diversificação alimentar da criança. Este conceito integra-se nos primeiros mil dias de vida, que incluem a gravidez e os primeiros 2 anos. Assim, temos cerca de dois anos para por o nosso filho a comer de forma saudável, equilibrada e diversificada. 
Sim acredite, ele vai comer legumes e vegetais!
Boas refeições…em família!! E sem birras!

Algumas dicas para a hora da refeição

 Não faça das refeições uma batalha. Se pensa que vai correr mal, isso vai estar espelhado no seu tom de voz, na expressão facial e corporal;

  • As birras também fazem parte do crescimento. Na hora da refeição a criança tem todas as atenções viradas para si, podendo ser o momento ideal para mostrar que pode tomar decisões.
  • Avise o seu filho que está quase na hora da refeição!
  • Desde cedo, e de acordo com a idade da criança, podem colaborar nas tarefas (contar guardanapos; ajudar a pôr a toalha; descascar alguns alimentos que não precisem de faca).
  • Criança e pais devem estar tranquilos nesse momento, de preferência, o espaço de refeição não deve ter televisão ou, então estar desligada.
  • Todos os elementos da família devem estar juntos à mesa, passando a refeição a ser um momento de prazer e convívio. Converse com os seus filhos durante as refeições. Torne o momento agradável em família.
  • Decida quais as regras que quer ver implementadas e seja firme ao aplicá-las, explicando-as sempre que necessário.
  • A refeição deverá ser igual para todos! Ou seja, os pais deverão comer a sopa, o prato e fruta, dar por isso o exemplo.
  • Deixe a criança mexer na comida. Sujar-se faz parte do crescimento e promove a autonomia. 
  • Para todas as crianças o truque é colocar pequenas porções, servindo várias vezes. Para as crianças que provocam vómito frequentemente isto é crucial, assim como colocar pouca comida de cada vez na boca e usar-se apenas uma pequena parte da colher. 
  • Deixar a criança saborear a comida. O facto de querermos despachar a refeição, para que o momento de terror termine rápido, poderá não ajudar a criança a aprender a comer. Lembre-se que são precisas 8 a 11 tentativas para passar a gostar de brócolos ou de outro alimento novo qualquer!
  • Se a criança comeu pouco ou mesmo nada, não deve sair de imediato da mesa. Idealmente deve esperar que todos terminem a refeição. O tempo em que fica à mesa deve ser ajustado ao limite de resistência à frustração de cada criança.
  • Reforçar de imediato a refeição com um alimento preferido (leite, bolachas), só porque ficou mal alimentada, pode estar a incutir à criança que não comer sopa, peixe ou carne, não é assim tão importante.
  • Poderemos até recorrer a um alimento preferido, mas sempre depois da sopa, carne, peixe ou fruta.
  • Recorrer à imaginação. Se o seu filho diz que não gosta de ervilhas, experimente contar-lhe uma história. Também pode dizer que as personagens favoritas dela adoram aqueles alimentos.
  • Não permita que o seu filho coma fora das horas das refeições. 
  • Evite forçar/obrigar! Ele não precisa de comer tudo, apenas o que lhe é essencial.
  • Castigos relacionados com a comida devem ser evitados.
  • Nas refeições no restaurante e fora de casa permita-lhe que leve um brinquedo para se entreter.