tempos médios de espera

Hospital Particular Gambelas

Superior a 1H30

Atendimento Permanente

Enfº Célia Nogueira

Consulta de Enfermagem de Imunoalergologia

 

 

Enfº Célia Nogueira

A consulta de enfermagem de Imunoalergologia
Planear e formar para melhor cuidar

HPA Magazine 16


A alergia é uma parte da Medicina Interna e o estudo da alergia deve começar por um conhecimento fundamental da Medicina na sua globalidade. O tratamento eficaz da alergia deve incluir o tratamento do doente como pessoa única (Robert Cooke,1958).
A primeira consulta hospitalar de alergologia, em Portugal, remonta ao ano de 1961 através da intervenção do Prof. Doutor Antero de Palma Carlos, um dos pioneiros desta especialidade. Foi também responsável pelo reconhecimento da especialidade pela Ordem dos Médicos em 1984 e pelo Ministério da Saúde em 1986, culminando no processo de individualização médica autónoma da Alergologia em 1987.


A consulta de enfermagem de Imunoalergologia


 

Em consonância com todo este investimento e desenvolvimento da especialidade, é de salientar o papel preponderante da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC), com 71 anos de existência. Conceituada sociedade científica que nos seus objetivos e ações, privilegia a formação intensiva e o desenvolvimento profissional, incutindo aos profissionais um ritmo ativo e constante investigação científica. Promove e financia projetos de investigação, divulga e publica conteúdos científicos, investindo na educação para as boas práticas. O objetivo final de todo este trabalho culmina na melhoria dos cuidados prestados e na otimização da qualidade de vida aos doentes e famílias. Tal como referiu Manuel Branco Ferreira, Presidente da SPAIC, na 41ª reunião anual da SPAIC, “Nunca podemos esquecer que a alergia é uma família de doenças, mas também uma doença da família”.
As doenças alérgicas podem ser do ponto de vista clínico, tanto situações mais ou menos simples, como outras com reações bastante graves que podem colocar em risco a vida. A patologia alérgica compromete, na maioria dos casos a qualidade de vida dos doentes e consequentemente das suas famílias. Nos dias de hoje, as doenças alérgicas representam o 5º grupo de doenças crónicas mais frequentes nos países desenvolvidos, onde se inclui Portugal. Cerca de 1/3 da população é acometida por estas patologias, sendo por isso consideradas uma das “epidemias” da civilização moderna.

O SERVIÇO DE CONSULTAS EXTERNAS DO HPA-ALVOR
O serviço de consultas externas do HPA-Alvor tem na sua estrutura um alargado leque de especialidades, sendo a Imunoalergologia uma destas. 
O Dr. Pedro Morais Silva, Imunoalergologista, é o responsável pela consulta e faz uma dinamização ativa da mesma, incentivando o trabalho de equipa, formação na área, disponibilidade contínua para esclarecimento de dúvidas e questões, incutindo a valorização e empenho de quem com ele trabalha.

A CONSULTA DE ENFERMAGEM DE IMUNOALERGOLOGIA
Os cuidados de enfermagem prestados no contexto da consulta de Imunoalergologia até ao final do ano de 2018 era um apoio em termos de realização de técnicas específicas desta área, prescritas pelo médico. Não existia um enfermeiro adstrito a esta consulta. Este contexto devia-se a questões organizacionais e recursos humanos insuficientes que dificultavam esta gestão. Todas as intervenções de enfermagem acabavam por ser interdependentes do pedido do médico e muito restrita em relação às ações autónomas. 
Para melhoria da qualidade dos cuidados prestados, foi essencial reestruturar os cuidados de Enfermagem mais direcionados à especialidade em causa, dinamizando, organizando e adquirindo competências para a gestão da consulta de Enfermagem estruturada e autónoma. Todos os projetos têm por base pilares essenciais ao seu desenvolvimento e, sem dúvida questões como interesse, empenho, dedicação e esforço são pontos essenciais para atingir o objetivo final. 
Num trabalho de colaboração, equipa, disponibilidade e empenho pessoal e organizacional foi possível iniciar este caminho e, como em todas as áreas foi crucial a formação. De ressalvar que em Portugal não existe formação específica de Imunoalergologia para enfermeiros, estando a mesma restrita a médicos. No entanto, a SPAIC já dinamizou várias ações com enfermeiros que desempenham funções neste âmbito, facilitando a partilha de experiências e um curso de imunoterapia organizado por enfermeiras espanholas, que elaboraram o respetivo manual para enfermeiros. Além da presença nestas formações, tive a oportunidade de participar na Escola de Outono e da Primavera da SPAIC direcionada para médicos de clínica geral e familiar, na 40ª reunião anual e no Curso de Anafilaxia que decorreu na Universidade do Algarve.
 A formação contínua tem sido determinante neste projeto e sempre que surge oportunidade de participação em eventos formativos, estudos científicos, realização de trabalhos internos e externos, os quais concedem o melhor prestígio à especialidade, as oportunidades não são descuradas e são alvo de empenho pessoal, profissional e institucional. Inúmeros contributos têm sido facilitados através da SPAIC, resultando este projeto na valorização e motivação crescente para fazer mais e melhor. O espelho da instituição é o resultado das competências, desempenho, dedicação e empenho dos profissionais que a integram e que contribuem diariamente para o seu reconhecimento e qualidade.
 

A consulta de enfermagem de Imunoalergologia


CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Para a estruturação e organização da consulta de enfermagem de Imunoalergologia foi necessário ter em conta normas, protocolos e procedimentos internos adstritos a esta especialidade que normalizam as ações na prática das técnicas e cuidados de enfermagem.
Foi realizada a revisão e atualização do procedimento interno da especialidade e elaborado o manual da consulta de enfermagem, onde estão contempladas a descrição e a normalização das diversas técnicas (testes cutâneos e respiratórios, vacinação, provas de provocação e testes intradérmicos).
Esta organização e estruturação permitem que os atos de enfermagem sejam agendados e geridos em plano próprio, pelo enfermeiro responsável.
De ressalvar em todo este contexto que a comunicação direcionada e personalizada é um dos fatores mais importantes em todo o processo para que o mesmo seja eficaz. O estabelecimento de relação de simpatia, empatia e de aliança terapêutica com o paciente/família/pessoa significativa, bem como, a disponibilidade interpessoal e temporal para a satisfação, sensação de segurança e confiança nos cuidados é crucial. Na consulta de Imunoalergologia há uma incidência representativa de crianças e adolescentes, para os quais salvaguardamos um atendimento direcionado e respeitador das suas capacidades físicas e cognitivas, próprias da idade, não esquecendo os familiares/pessoas significativas que a acompanham. 

PERSPETIVAS PARA O FUTURO
Dando continuidade ao projeto da consulta de enfermagem de Imunoalergologia, objetiva-se uma contínua melhoria da qualidade dos cuidados prestados aos usuários da mesma através de estratégias adequadas. Dar continuidade a todas as oportunidades de formação na área tanto institucional como externa, privilegiando a partilha de conhecimentos. Elaborar meios de comunicação para os utentes como apoio e reforço da informação facilitada na consulta. Dinamizar uma consulta de enfermagem direcionada para utentes com asma. É ainda pretensão da equipa colaborar com a SPAIC na criação de um Manual de Enfermagem de Imunoalergologia, tendo como objetivo a normalização da prática a nível nacional.