tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

Superior a 1H30

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

00h12m

Atendimento Urgente

00h14m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h24m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h00m

Atendimento Urgente

Dr. André Galvão

Psicólogo Clínico

 

Dr. André Galvão

Impacto emocional do cancro de mama

HPA Magazine 19

A consciencialização para o cancro de mama é um tema cada vez mais presente na vida das pessoas em geral, por todos os riscos que pode acarretar e pelo impacto que pode causar não apenas ao doente como à família que o rodeia.
Sabe-se que todo o trabalho de informação e sensibilização é importante, pois ajuda muitas vezes o doente a estar atento, a identificar e a procurar ajuda especializada o mais precocemente possível, evitando muitas vezes situações que podiam ter um resultado dramático.
Apesar do cancro de mama se encontrar maioritariamente associado ao sexo feminino, também atinge o sexo masculino, sendo as percentagens de 99% e 1% respetivamente.

 


Impacto emocional do cancro de mama


 

Deste modo, o cuidado especificamente para com este doente tem sido uma preocupação cada vez maior por parte do Grupo HPA Saúde, no sentido de se proporcionar ao próprio e sua família, o melhor acompanhamento possível, procurando preencher todas as suas necessidades, desde o diagnóstico, passando pelos tratamentos, até à conclusão dos mesmos.
Prova disso foi o desenvolvimento da Unidade da Mama, através da criação de uma equipa multidisciplinar constituída por vários profissionais focados unicamente nesta patologia, que se reuniram no mês de outubro, considerado o mês da consciencialização do cancro de mama pelo mote “outubro rosa”, no 1º Open Day - Informar, Tratar, Apoiar, na sala de conferências do HPA-Gambelas, lado a lado com alguns doentes e suas famílias.
Foram abordados os temas mais importantes associados ao cancro de mama entre os quais os aspetos emocionais.
Sendo o cancro de mama uma doença de caráter físico, pode também acarretar repercussões ao nível psicológico.
Deste modo, a presença da psicologia, não sendo obrigatória é por vezes indispensável e nalguns casos até preponderante, ao longo do período da doença, pois esta necessidade vai depender dos recursos internos que cada pessoa apresenta no contacto com esta condição.
Por vezes, o confronto com a doença e determinados tratamentos que têm de ser realizados, podem suscitar a presença de alguma ansiedade e despoletar momentos de desconforto emocional significativos, uma vez que se encontram associados sentimentos de medo, insegurança, impotência e incerteza, o que pode ser bastante angustiante e limitativo para o doente
Estes sentimentos podem potenciar algum isolamento social e familiar, proporcionando a perda da sua identidade perante o outro. 

 

Apesar de toda a consciencialização que tem vindo a ser feita ao longo do tempo, conforme falado anteriormente, continuamos a assistir a uma sociedade muito focada nos padrões de beleza em que os cabelos longos e o peito são sinónimo de feminilidade, sendo o cancro de mama uma ameaça à imagem corporal das mulheres, promovendo assim algum desequilíbrio psicológico.
Esta visão pode por isso dar lugar, não apenas a uma diminuição da auto estima do doente mas também trazer algumas limitações ao nível da sexualidade, no caso da mulher, uma vez que ao não se sentir confortável com o seu próprio corpo, dificilmente se sentirá desejada, podendo assim iniciar-se o conflito sexual do casal.
Ao longo dos tratamentos o doente poderá sentir alguma oscilação do humor bem como alguma sintomatologia ansiosa e ou depressiva como o isolamento, perda de vontade por atividades ou tarefas que anteriormente tinha prazer, choro, perda de energia, distúrbio do sono, entre outros, o que naturalmente poderá provocar algum mau estar e que terá que ser bem percebido.
A família, tem em todos os momentos da doença um papel muito importante na contenção e suporte do doente, pois deve estar atenta às eventuais alterações emocionais que possam surgir e que de algum modo, tragam algumas limitações ao seu dia a dia e que nalguns casos afetam o bem-estar do doente. Deve procurar ainda estar o mais presente possível, incentivando a comunicação, de forma a que o doente se sinta confortável e partilhe o que está a sentir.
O papel da psicologia torna-se assim necessário, pois vai ajudar o doente e a família a encontrar um significado diferente relativamente à doença, potenciando o desenvolvimento de estratégias, promovendo uma melhor adaptação emocional, uma maior funcionalidade, uma melhor qualidade de vida e uma adesão mais positiva aos tratamentos.