tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

Over 1H30

Urgent Care

Hospital Particular Gambelas

01h28m

Urgent Care

00h00m

Paediatrics

Hospital Particular da Madeira

00h00m

Paediatrics

01h03m

Urgent Care

Madeira Medical Center

00h00m

Urgent Care

Dra. Marina Augusto Estêvão

Dra. Marina Augusto Estêvão

Nutricionista

 

 

Nutrição na síndrome dos ovários poliquísticos

HPA Magazine 21 // 2024

 

A Síndrome dos Ovários Poliquísticos (SOP) é uma disfunção hormonal que causa alterações nos ovários; estes em vez de produzirem um único folículo para originar um óvulo, produzem vários folículos, que não libertam óvulos, mas que se acumulam originando vários quistos.
A SOP constitui uma das causas de infertilidade feminina e muitas vezes apenas é detetada quando a mulher pretende engravidar.

 



 

Existem disfunções metabólicas associadas a esta síndrome como a resistência à insulina e a hiperinsulinémia que poderão evoluir para Diabetes Mellitus tipo II ou Diabetes Gestacional. Para além disso, também podem ocorrer complicações obstétricas, maior risco de eventos cardiovasculares e de cancro do ovário.
Hoje sabemos que algumas alterações ao estilo de vida como uma alimentação mais saudável, a prática regular de exercício físico, dormir bem e ter um sono regular poderão ajudar a silenciar esta síndrome e evitar que ocorram algumas das suas complicações.
A alimentação desequilibrada provoca alterações nas bactérias intestinais – disbiose intestinal – que aumentam a permeabilidade intestinal e consequentemente a inflamação. Uma vez que o sistema imunitário interfere com os recetores de insulina, vai existir um aumento na produção de androgénios pelos ovários e consequentemente alterações no desenvolvimento folicular normal.
Estudos têm demonstrado que a suplementação com alguns probióticos e vitamina D melhoram a flora intestinal, diminuem a inflamação, a gordura corporal e a sensibilidade à insulina.
Sabe-se também que alguns tipos de dietas poderão melhorar a resistência à insulina, como a dieta mediterrânica em que são priorizados alimentos anti-inflamatórios ricos em polifenóis, como o azeite, as nozes, grãos e algumas frutas vermelhas, com teores interessantes em resveratrol. As dietas low carb e hipocalóricas em que se priorizam os alimentos de baixo índice glicémico, como alguns vegetais e frutas, também se têm mostrado favoráveis na melhoria da insulinorresistência.
 

Manter bons hábitos de sono permite ao organismo responder fisiologicamente aos estímulos do ambiente, originando a produção de melatonina.  
Em pacientes com SOP verifica-se uma diminuição de melatonina no fluido folicular.
Esta hormona tem vários benefícios na SOP, nomeadamente na regulação hormonal e na melhoria do ciclo menstrual. Existem alguns alimentos/nutrientes que poderão melhorar a produção de melatonina, como a vitamina D (sol matinal), o ácido fólico (presente nas folhas verdes como couves, espinafres, feijão, peixes, amendoim), ómega 3 (sementes de linhaça, chia, peixes gordos) e alguns probióticos (como o kefir). 
Para além da alimentação também existem fatores ambientais, como algumas toxinas que têm um importante papel na SOP e na sua pré-disposição. Por exemplo, plásticos com Bisfenol A (BPA), presentes em algumas garrafas de plástico (água, por exemplo) e outros recipientes utilizados para armazenamento de produtos alimentares. Estas toxinas são disruptoras endócrinos que afetam a saúde, sendo que o seu contacto direto excessivo durante a gravidez, poderá provocar alterações genéticas no DNA do feto que afetará gerações seguintes. Uma boa estratégia poderá passar por usar garrafas de vidro e recipientes livres de BPAs.
Portanto, uma alimentação saudável, rica em alimentos anti-inflamatórios, bons hábitos de sono e a prática regular de exercício físico são fundamentais para reduzir possíveis complicações, controlar a sintomatologia e favorecer um bom estado de saúde à mulher com SOP que pretenda ou não engravidar.