tempos médios de espera

Clínica Particular AlgarveShopping

00h00m

Atendimento Permanente

Clínica Particular de Vilamoura

00h00m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Alvor

00h14m

Atendimento Permanente

00h00m

Pediatria

Hospital Particular Gambelas

00h17m

Atendimento Permanente

00h04m

Pediatria

Centro Médico Internacional VRSA

00h00m

Atendimento Permanente

Hospital São Camilo Portimão

00h00m

Atendimento Permanente

Clínica Particular SIIPEMOR

00h00m

Pediatria

Clídis – Clínica de Diagnósticos de Sines

00h00m

Atendimento Permanente

Madeira Medical Center

00h30m

Atendimento Permanente

00h13m

Pediatria

Alta Segura

 

Alta Segura na Maternidade do HPA


O projecto Alta Segura foi implementado no Hospital Particular do Algarve - Faro como resultado da parceria com a APSI - Associação para a Promoção da Segurança Infantil e o apoio do Fórum Algarve.

Tem como objectivo a promoção do transporte em segurança dos recém-nascidos no momento da Alta da Maternidade.

A implementação do Alta Segura no Algarve é uma iniciativa da APSI, apoiada pelo Fórum Algarve e implementada nos hospitais com maternidade da região.

A primeira fase do Alta Segura consistiu na formação teórica e prática de profissionais de saúde, habilitando-os a esclarecer as famílias relativamente aos cuidados a ter na escolha da cadeirinha, na sua instalação no automóvel e na utilização pela criança, bem como a verificar se o transporte no momento da Alta da maternidade é feito em condições de segurança adequadas. Foram oferecidos aos hospitais os recursos materiais necessários para a implementação da iniciativa.


Transporte no Automóvel

Grávida e Recém-Nascido

Sabia que…
  • Os acidentes de automóvel são a principal causa de morte e incapacidades nas crianças em Portugal?
  • Num acidente a 45 km/h os passageiros à solta ou ao colo são projetados com um peso 20 vezes maior (ex: grávida com 60 kg = 1,2 toneladas; recém-nascido com 5 kg = 100 kg)?
  • A utilização do cinto de segurança ou de uma cadeirinha, corretamente colocados, permite reduzir as lesões e traumatismos graves em 60 a 90% dos casos?
  • Usar uma cadeirinha virada para trás salva 9 em cada 10 crianças?
  • As crianças precisam de uma cadeirinha, que adapte o cinto do automóvel ao seu corpo, mais frágil e mais pequeno?

Mesmo dentro das localidades, e a baixas velocidades, um acidente de automóvel pode ter consequências muito graves. Adultos e crianças devem usar sempre o cinto de segurança e a cadeirinha, corretamente colocados.


A grávida

Viajar à solta pode comprometer gravemente a saúde de qualquer adulto. No caso de uma grávida, a vida do bebé fica também ameaçada – ao ser projetada contra o tablier, volante, banco da frente ou exterior, também o bebé é projectado e pode embater com violência ou ficar “esmagado” pelo peso da mãe, aumentado pela velocidade do automóvel.

As grávidas devem usar o cinto de segurança durante toda a gravidez e em qualquer viagem! Para que não provoque lesões ao bebé, deve ser colocado corretamente: a faixa subabdominal assente nos ossos da bacia e não sobre a barriga, e a faixa diagonal sobre o ombro, passando pelo esterno, e nunca por baixo do braço.


Gravidez Alta Segura

Se viajar no lugar do passageiro, recue o banco de forma a ficar o mais afastada possível do airbag.
No final da gravidez, pode ser desaconselhável conduzir devido à proximidade do airbag – que pode abrir e provocar lesões muito graves ao bebé.  


O Recém-Nascido

O recém-nascido deve ser transportado numa cadeirinha voltada para trás desde a 1ª viagem (da maternidade para casa), para que a cabeça, o pescoço e as costas sejam apoiados uniformemente, em caso de acidente, e fiquem protegidos. Escolha uma cadeirinha do grupo 0+, homologada até aos 13 kg – o “ovinho” – em que o bebé viaja semi-sentado. A alcofa, onde a criança viaja deitada, não é aconselhada, pois a maioria dos embates são transformados em choques laterais, mais perigosos para o cérebro.

Antes de comprar, experimente a cadeira nos automóveis em que vai ser utilizada, para ter a certeza que a consegue instalar de acordo com as instruções do fabricante – só assim será eficaz em caso de acidente! Escolha um modelo homologado: procure a “etiqueta E” e verifique se o número de aprovação começa por 03 ou 04 (prefira cadeiras homologadas pela versão 04, mais recente que a 03).


Cadeirinha Alta Segura

Instale o “ovinho” de costas para o sentido do trânsito, preferencialmente no banco de trás do automóvel. Nunca o use no banco da frente com um airbag frontal ativo! Pode optar por um modelo que seja preso com o cinto de segurança, ou pelo sistema isofix, se o seu automóvel estiver preparado – a cadeira encaixa em 2 pontos inferiores, na base das costas do banco do automóvel, e apoia-se num 3º ponto, no chão, para evitar a rotação, em caso de acidente. Aperte sempre o arnês (cinto interno da cadeira) e ajuste-o, para que fique apenas 1 dedo de folga entre este e o ombro do bebé.

Nunca retire o bebé da cadeirinha com o automóvel em andamento nem o leve ao colo, mesmo que por breves instantes (por exemplo, para mamar). Todos os passageiros devem usar o cinto, no banco da frente e de trás, para não serem projetados contra o bebé. O carrinho de passeio e toda a bagagem devem ser arrumados no porta-bagagens. Se tiver mesmo que os levar dentro do automóvel, prenda-os com um cinto de segurança.


Quando trocar de cadeirinha

O bebé pode viajar no “ovinho” até aos 13 kg, enquanto a cabeça estiver bem apoiada e o arnês ficar à altura do ombro. Não se preocupe se as pernas e os pés saírem da cadeira ou tocarem no banco; as crianças podem viajar com as pernas dobradas ou encolhidas!

Mantenha-o de costas para o trânsito até aos 3 ou 4 anos, numa cadeira do grupo I ou I/II, homologada virada para trás até aos 18 kg ou 25 kg. Estas cadeiras são maiores e têm mais espaço para as pernas.

As cadeiras do grupo 0+/I (0-18 kg) também permitem transportar a criança de costas, mas apenas até cerca dos 18 meses ou 2 anos: são homologadas viradas para trás até aos 13 kg e têm menos espaço para as pernas. 


Sobre Segurança Rodoviária e Sistemas de Retenção para Crianças

Os acidentes rodoviários são a maior causa de morte e incapacidade permanente em crianças na Europa e em Portugal. Apesar da segurança rodoviária, na última década, ter melhorado consideravelmente, tendo Portugal alcançado a melhor média de redução da mortalidade infantil por acidentes rodoviários, as crianças abaixo dos 14 anos ainda representam 3,2% do total da mortalidade rodoviária. Quase 50% destas mortes acontecem com crianças passageiras de automóveis.

A utilização de um sistema de retenção para crianças (SRC), vulgarmente designado por “cadeirinha”, adequado e bem instalado, reduz a ocorrência de morte ou ferimentos graves em crianças entre 90-95% (cadeira virada para trás) e 60% (cadeira virada para a frente). No entanto, os erros na utilização dos SRC podem reduzir substancialmente o nível de proteção.

A utilização incorreta e/ou desadequada dos sistemas de retenção para crianças está relacionada, em grande medida, com a falta de informação fidedigna, consistente e clara dirigida às famílias. Da mesma forma, a ausência de conhecimentos técnicos específicos por parte dos profissionais – nomeadamente os da saúde – que têm responsabilidade no aconselhamento das famílias e possuem, por isso, grande poder de influência nas suas escolhas e decisões contribui de forma determinante para esta realidade.


Sobre a APS


A APSI, Associação para a Promoção da Segurança Infantil, é uma associação privada sem fins lucrativos, com o estatuto de utilidade pública, que tem como objetivo promover a união e o desenvolvimento de esforços para a redução do número e da gravidade dos acidentes e das suas consequências nas crianças e jovens em Portugal.

É sua missão promover a melhoria da qualidade de vida das crianças e jovens e assegurar o desenvolvimento de um ambiente promotor de saúde que lhes permita crescer em segurança e desenvolver-se plenamente a nível físico, psico-motor e sociocognitivo.
 
Fonte: APSI