tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h22m

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

00h01m

Atendimento Urgente

00h21m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h09m

Atendimento Urgente

00h08m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h03m

Atendimento Urgente

Notícias

Semana Mundial do Aleitamento Materno

Para assinalar a Semana Mundial do Aleitamento Materno, que se comemora de 1 a 7 de agosto, partilhamos as experiências de algumas das nossas mamãs durante a amamentação.

 

“Há 5 anos atrás fui mãe de primeira viagem, preparei-me o máximo que pude para o maior desafio da minha vida. Sempre fez parte dos meus planos amamentar caso fizesse sentido e fosse ao encontro das necessidades de ambos.

Mas nem tudo é como a teoria ensina… A inexperiência, o medo, o cansaço e o stress, influenciaram o início da amamentação, mas com o apoio incansável do meu marido e da equipa do puerpério tudo melhorou ainda no nosso processo de alta. Eu e o meu filho fizemos uma bela equipa ao longo de 15 meses de amamentação exclusiva em livre demanda com ótimo desenvolvimento.

Há 7 meses voltei a ser mãe e mais uma vez a amamentação fazia parte dos meus planos. Desta vez tudo muito mais fácil. A experiência, a maturidade e a equipa que nos acompanhou deram a confiança de que a mãe natureza sabe o que faz e que nós mulheres temos que confiar no processo. Na primeira hora de vida, bebé ao peito com boa pega e boa sucção. Foram 6 meses exclusivos de leite materno. E continuará a ser, os meses que a minha bebé assim o desejar.

Obrigada Rodrigo e Maria Constança por partilharmos a melhor e maior conexão de mãe e filho. Somos uma equipa de amor para todo o sempre.

Obrigada equipa HPM, em especial Dra. Paula Pinto e Enf.ª Rute, por me terem acompanhado no lindo processo do nascimento da minha bebé.”

Petra Pinto, mãe do Rodrigo e da Maria Constança

  

Amamentar um bebé é um dos atos mais indiscritíveis da vida de uma mulher. Depois do parto, aconchegar o bebé e senti-lo a mamar o líquido precioso e natural que produzimos é dos momentos mais incríveis que a natureza proporciona.

A minha experiência tem sido maravilhosa e, sem romantizar, devo dizer que acredito que os melhores aliados da amamentação são a serenidade e a tranquilidade, não criando quaisquer expectativas positivas ou negativas, confiando que a natureza fará o seu papel e o que tiver que ser será.

O meu João já tem quase 10 meses e até aos 6 meses foi alimentado exclusivamente com leite materno. Continua a fazer duas refeições de leite materno por dia ou sempre que pede. Desde o primeiro momento, o meu bebé fez uma boa pega e, por isso, tudo correu dentro da normalidade.

O apoio da enfermagem nos primeiros dias é essencial para termos a certeza que o aleitamento está a correr bem, porque, por vezes, pode ser assustador quando um ser tão frágil parece depender apenas daquele líquido que produzimos para sobreviver e passamos a contar os minutos todos que está à mama.

A verdade é que à medida que os dias e os meses passam e o bebé cresce, ficamos mais confiantes nesta capacidade única que temos de alimentar o bebé e de o fazer crescer. E esta certeza faz-nos sentir poderosas enquanto seres humanos.

Os primeiros meses são exigentes e exigem resiliência, sobretudo quando o bebé mama vezes sem fim, noite e dia.

O momento de amamentar é mágico e transporta-nos para uma dimensão incrível de entrega e dedicação. É único poder desfrutar destes momentos de puro amor!

Tânia Caldeira, mãe do João Pereira

 

"Inicialmente, pensei que não conseguiria amamentar. Sou muito sensível das mamas, portanto parti para esta parte da maternidade ciente de que poderia vir a não conseguir.

Após o parto, quando amamentei pela primeira vez, percebi que não seria fácil. No entanto, quando somos mães não pensamos na dor ou desconforto que estamos a sentir, pensamos que estamos a dar o melhor ao nosso bebé. E por isso, por mais doloroso e difícil que fosse meti na cabeça que ia fazê-lo e que ia conseguir.

No hospital, tive a grande ajuda de todos os enfermeiros e consegui amamentar sempre que o bebé pedia. Durante o tempo em que estive no hospital, recordo que o mais difícil foi lidar com a diferença de opiniões relativamente à amamentação.

Quando chegámos a casa foi um choque. Lembro-me que no dia a seguir à alta o meu bebé esteve 7 horas sem mamar. Eu tentava, tentava e não conseguia, ele chorava, “brigava” com a mama, e era um bebé que só queria dormir! Pedi ajuda à enfermeira, que me deu umas dicas preciosas. Não foi nada fácil, decidi tirar com a bomba e dar com o biberão e foi assim que alimentei o meu bebé durante uma semana. Depois dessa semana, decidi que voltaria a tentar. Tentei e até correu bem, apesar do bebé continuar a ter dificuldade para mamar.

Duas semanas depois, passámos novamente por grandes dificuldades e decidi voltar a tirar com a bomba e dar com o biberão. Assim fiz durante duas semanas. Mas nunca desisti totalmente de amamentar. Desta maneira, voltei a tentar, desta vez utilizei os mamilos de silicone e o bebé mamava muito melhor. Sabia que o ideal era que mamasse diretamente da maminha, portanto, decidi pedir ajuda à enfermeira.

Após a consulta conseguimos tirar o mamilo de silicone e fazer com que o bebé mamasse diretamente na mama. As dicas da enfermeira ajudaram-me de uma forma inigualável! Claro que existiram dias menos bons e mais desafiadores, mas de uma forma geral, daí para a frente correu tudo bem e o meu Gabriel mamou em exclusivo até aos 4 meses.

Se eu adoro amamentar? Não! A amamentação, para mim, foi tudo menos “cor de rosa”, mas saber que é o melhor para o meu bebé fez-me querer continuar!

Persistência e paciência foi o que precisei nesta jornada. Amamentar é, sobretudo, um ato de amor."

Mariana Malho, mãe do Gabriel

 

Maternidade           

2 de Agosto de 2023