tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h03m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Gambelas

00h13m

Atendimento Permanente

Madeira Medical Center

00h01m

Atendimento Permanente

Dr. Manuel Calzado

Medicina Interna
Consulta Especializada 
de Saúde e Cirurgia Capilar

Novas opções terapêuticas na Alopecia Androgénica

HPA Magazine 14

 

A Alopecia Androgénica (AGA) é uma redução hereditária do cabelo induzida pelos efeitos das hormonas androgénicas nos folículos capilares em homens e mulheres geneticamente suscetíveis. Este tipo de alopecia aparece devido à ação da enzima 5-alfa-redutase (5R) na testosterona, uma hormona presente em ambos os sexos com a maior proporção em homens. 
A enzima atua na testosterona e transforma-a em di-hidrotestosterona, que adere ao recetor e atrofia o folículo piloso, causando enfraquecimento e subsequente queda de cabelo. Dessa maneira, os folículos capilares ficam menores, produzindo cabelos mais curtos e finos. Além do mecanismo hormonal, existem estudos recentes que mostram como pode haver outros fatores que interferem na etiopatogenia da AGA em homens, como microinflamação, alteração da via da prostaglandina ou alterações na via da Wnt-betacatenina.
 


 

Atualmente, não existem opções terapêuticas definitivas disponíveis para o tratamento da AGA. Esta patologia afeta aproximadamente 70% dos homens e 40% das mulheres num determinado estágio de suas vidas. Os homens geralmente experimentam recessão da fixação do cabelo nas têmporas e perda de cabelo na coroa, enquanto as mulheres têm desbaste generalizado em toda a parte superior do couro cabeludo.
Os métodos de tratamento atualmente disponíveis incluem opções farmacológicas e não farmacológicas:
· não farmacológicas - desde o uso de suplementos vitamínicos, aminoácidos, plasma rico em plaquetas, laser de baixa potência e até o próprio transplante capilar;
· as terapias farmacológicas incluem minoxidil, terapia estroprogestinica e medicamentos antiandrogénicos (por via oral ou por mesoterapia).
Apesar de existir uma ampla variedade de opções terapêuticas, a AGA continua a ser um problema terapêutico não resolvido, sendo o Minoxidil tópico e a Finasterida por via oral, os únicos tratamentos aprovados na maioria dos países e, portanto, considerados de primeira linha.

MESOTERAPIA COM ANTI-ANDROGÉNIOS
A técnica de microinjeção da dutasterida (também chamada de infiltração anti androgénica ou mesoterapia com dutasterida) é um novo tratamento para a alopecia androgénica masculina e feminina que envolve a aplicação da dutasterida diretamente na pele do couro cabeludo, para que assim atinja uma concentração mais alta na raiz folicular e, desta forma, o medicamento exerça uma ação direta, favorecendo o espessamento folicular e paralisando a perda de cabelo. O procedimento é realizado com anestesia local prévia do couro cabeludo, tornando-o uma técnica praticamente indolor. Demora cerca de 30 minutos para ser efetivada e não requer nenhum cuidado prévio ou subsequente do paciente. Não deixa marcas visíveis e o paciente pode voltar imediatamente às suas atividades (conduzir, trabalhar, lazer).

EVIDÊNCIA CIENTÍFICA DO PROCEDIMENTO
Existem cada vez mais estudos apoiando a maior eficácia da dutasterida oral em comparação com a finasterida oral. A dutasterida inibe as isoenzimas 5R 1 e 2 com maior potência que a finsterida (que apenas inibe a isoenzima 2), em concreto, 3 vezes mais para a inibição da isoenzima 5R do tipo 2 e 100 vezes mais para a inibição do tipo 1. Diminui os níveis de di-hidrotestosterona sérica cerca de 90% em relação aos valores prévios ao tratamento. A sua vida média é longa, de aproximadamente 4-5 semanas, permitindo que as sessões de tratamento sejam espaçadas ainda mais.
As microinjeções de dutasterida apresentam-se como uma alternativa segura e potencialmente eficaz no tratamento da AGA, pelo que provavelmente se verá um aumento do seu uso no futuro, especialmente em pacientes contraindicados para realizar tratamento oral ou como terapia complementar na AGA, uma vez que os testes analíticos dos pacientes não mostram diferenças significativas entre os parâmetros hormonais antes e após a realização de este tipo de tratamento.

PODE SER COMBINADO COM OUTROS TRATAMENTOS?
Uma das vantagens do procedimento de microinjeção da dutasterida é que pode ser usado como monoterapia (único tratamento), para evitar ter de tomar medicação oral ou aplicar produtos tópicos, ou pode ser usado em combinação com outras terapias orais e tópicas para obter maior eficácia. 

COM QUE FREQUÊNCIA É NECESSÁRIO REALIZAR O TRATAMENTO?
Como a dutasterida tem uma sobrevida de várias semanas, o procedimento de microinjeção da dutasterida pode ser realizado a cada 3-6 meses, dependendo do tipo de paciente e se este já estiver a realizar outros tratamentos. Geralmente, 3-4 sessões por ano são suficientes para melhorar a densidade do cabelo. 
Em muitos pacientes que também recebem tratamento oral, realizamos uma sessão de microinjeção de dutasterida no início do tratamento para obter um resultado mais rápido. O seu cirurgião capilar dará as orientações em cada caso particular.

ESTA TERAPIA TEM EFEITOS SECUNDÁRIOS?
Como qualquer tratamento local, as microinjeções podem causar um pouco de desconforto, minimizado pela aplicação da anestesia antes do procedimento. É possível que nos dias seguintes a área tratada esteja um pouco sensível, embora geralmente não exija a administração de analgésicos. O procedimento causa um efeito local e a absorção sistémica é desprezível, e portanto, não produz efeitos colaterais sistémicos.

Escala de Norwood-Hamilton para homens na AGA
Escala de Ludwig para mulheres na AGA