tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h34m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Gambelas

00h21m

Atendimento Permanente

00h01m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h36m

Atendimento Permanente

Madeira Medical Center

00h02m

Atendimento Permanente

Dr.ª Vanessa Malhado Castro

Médico Dentista

 

 

 

Periodontologia e Periodontite

HPA Magazine 14


O QUE É A PERIODONTOLOGIA?
A periodontologia é a área da medicina dentária que se dedica ao estudo das patologias que afetam os tecidos que dão suporte aos dentes e os mantêm posicionados nos maxilares. O osso, o ligamento periodontal e as gengivas são responsáveis por este suporte e constituem o que se designa por periodonto.
Para além das funções anteriormente referidas, o periodonto é responsável por absorver os impactos das forças exercidas sobre os dentes, contribuindo assim para uma maior eficiência e conforto aquando da mastigação.

O QUE É A PERIODONTITE?
A periodontite é vulgarmente conhecida como uma doença das gengivas. Estima-se que afete cerca de 65% da população adulta e sabe-se que apresenta uma evolução crónica.
A periodontite é uma doença que acomete os tecidos que suportam os dentes nos maxilares, nomeadamente as gengivas, o osso e o ligamento periodontal.
A doença periodontal é causada por bactérias e pela persistente inflamação local que estabelecem. O grupo de bactérias responsáveis pela periodontite fazem parte da constituição normal da flora bacteriana oral. No entanto, a acumulação regular e persistente de placa bacteriana e tártaro nas superfícies dentárias, pode desencadear um aumento drástico do número de bactérias periodontais. É por isso importante ressalvar que apesar de se tratar de uma doença bacteriana, a acumulação de placa bacteriana é apontada como a principal responsável pela instalação da doença.
A multiplicação bacteriana descontrolada em torno do periodonto, aliada a hábitos de higiene insatisfatórios e a uma falta de acompanhamento médico-dentário, estimula inicialmente uma resposta inflamatória ao nível da gengiva. Contudo, com a progressão da doença, instala-se uma inflamação crónica que progride ao longo dos tecidos periodontais levando a uma destruição da união entre a gengiva e o dente com a consequente formação de bolsas periodontais, locais de eleição para a colonização e multiplicação das bactérias periodontais.
Este é um processo que pode ser mais ou menos agressivo de acordo com o tipo de periodontite, bem como de acordo com o nível de progressão da doença quando é diagnosticada. O número e o tipo de bactérias presentes, a capacidade individual do sistema imunitário de cada paciente, assim como a presença de alguns fatores de risco, determinam a gravidade e taxa de progressão da doença. Como principais fatores de risco surgem a carga genética, os hábitos tabágicos, a diabetes descontrolada e o uso regular de certos fármacos anti-hipertensores.

QUAIS OS PRIMEIROS SINAIS A QUE DEVE ESTAR ATENTO?
Um dos primeiros sinais de alerta é o sangramento das gengivas. Inicialmente, o paciente verifica que o sangramento ocorre aquando a escovagem. A gengiva começa por ter uma alteração de cor e de forma, tornando-se mais avermelhada, edemaciada e por vezes, numa fase mais aguda, até dolorosa.

GENGIVITE VERSUS PERIODONTITE
As gengivas não estão totalmente aderidas aos dentes. Entre os dentes e as gengivas existe um pequeno espaço não percetível pelo paciente, que se designa por sulco gengival. Uma escovagem incorreta não será efetiva na remoção de todo o remanescente de placa bacteriana que se acumula no sulco gengival. A acumulação persistente de placa no sulco gengival leva à inflamação das gengivas. Nesta fase, instala-se a gengivite, isto é, verifica-se apenas uma inflamação das gengivas. Fatores como próteses ou restaurações mal adaptadas, gravidez, puberdade e o uso de determinados fármacos, podem agravar a inflamação gengival.
As gengivites são uma condição muito frequente que pode ser facilmente tratada com acompanhamento médico-dentário. Contudo, quando não é diagnosticada e tratada atempadamente poderá evoluir para uma periodontite. No entanto, sabe-se que as capacidades de defesa e resposta das gengivas de cada paciente e a sua herança genética exercem um importante papel na progressão da doença, pelo que é importante referir que nem todas as gengivites evoluem para periodontite.
Quando é diagnosticada periodontite, a doença já se instalou. Verifica-se, portanto, uma destruição gradual e irreversível do periodonto.
Nesta fase mais tardia, o paciente poderá notar que o sangramento gengival pode ocorrer durante a mastigação ou ser espontâneo; ter queixas de mau hálito; verificar uma alteração da posição dentária; observar a ocorrência de espaçamentos entre dentes; ter a sensação de dentes mais alongados devido à ao processo de recessão gengival (retração das gengivas) e em alguns casos mais raros experienciar dor.
Em fumadores, devido ao efeito da nicotina sobre os vasos sanguíneos da gengiva, os primeiros sinais de inflamação gengival podem ser menos evidentes e mascarar a doença.
É crucial ressalvar e reter a ideia de que uma gengiva saudável não sangra, nem mesmo durante a escovagem. O paciente deve consultar o seu médico-dentista caso a situação se verifique.

QUAL O TRATAMENTO DA PERIODONTITE?
O foco do tratamento da doença periodontal é a eliminação da placa bacteriana das bolsas periodontais de modo a parar a progressão da doença.

PERIODONTOGRAMA
Numa primeira fase é realizado um registo num periodontograma onde o médico-dentista fará um mapeamento de todas as bolsas periodontais e avaliará a destruição dos tecidos do periodonto. O periodontograma em conjunto com a histórica clínica do paciente, permite estabelecer um diagnóstico de que tipo de periodontite se trata, bem como prever a taxa de progressão em que a doença se encontra.

 

INSTRUÇÕES DE HIGIENE ORAL
A instrução e motivação do paciente sobre hábitos de higiene oral verifica-se crucial no sucesso do tratamento. O médico-dentista fornecerá as ferramentas e estabelecerá as condições para permitir que haja o controlo da acumulação de placa bacteriana por parte do paciente. No entanto, a colaboração e empenho deste são a chave para o sucesso do tratamento. Será importante referir também que mesmo em pacientes muito disciplinados com a higiene oral, poderão ocorrer reincidências da doença. Isto acontece devido à grande dificuldade em contrariar a componente genética e tendência do paciente para a doença periodontal.

Destartarização e Alisamento Radicula
Com recurso à destartarização ou limpeza profissional, é feita a remoção mecânica da placa bacteriana e tártaro aderidos às superfícies dentárias. Após a destartarização é realizado um alisamento das raízes de modo a torná-las superfícies mais lisas, removendo e atrasando a colonização bacteriana.

Cirurgia Corretiva
Em alguns casos, quando a periodontite já está muito avançada, existem bolsas periodontais muito profundas onde se acumulam depósitos de tártaro. Com a escovagem ou mesmo com ajuda médica com recurso apenas à destartarização ou com a raspagem das raízes, não é possível garantir a correta higienização destas bolsas.
Nestes casos, sob anestesia local, é feito um levantamento das gengivas e exposição das raízes, permitindo uma eficiente descontaminação.
A cirurgia periodontal corretiva para além de ser um método de higienização das bolsas mais profundas, permite também modelar e reposicionar as gengivas criando condições mais favoráveis ao paciente para fazer um eficiente controlo de placa. Em alguns casos, é mesmo possível fazer uso de técnicas de regeneração de osso e ligamento perdidos devido à doença.

TERAPIA DE SUPORTE/MANUTENÇÃO
A terapia de suporte/manutenção inicia-se quando se verifica a estabilização da doença periodontal. Nesta fase, todas as etapas do tratamento já terão sido executadas e a reavaliação da condição periodontal permite conduzir o paciente para a terapia de suporte. O paciente estará apto a ser conduzindo para esta fase quando se verificar capaz de fazer um controlo de placa efetivo e manter o seu periodonto reduzido saudável, isto é, sem focos de inflamação e infeção.
Caberá ao médico-dentista determinar com que frequência o paciente deverá fazer consultas de controlo, tendo por base a responsabilidade e disciplina do paciente, bem como a taxa de progressão e severidade da doença e o risco individual de cada individuo.