tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h00m

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

00h00m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h00m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h00m

Atendimento Urgente

Dr. Tiago Mestre

Dermatologista

 

A cirurgia de Mohs
É o gold standard no tratamento do cancro da pele

HPA Magazine 16


A cirurgia micrográfica de Mohs pode ser considerada a técnica mais refinada, precisa e efetiva para o tratamento dos tipos mais frequentes de cancro da pele, oferecendo a mais alta taxa de cura na excisão de cancros cutâneos não melanoma.


A cirurgia de Mohs


 

Através deste procedimento é possível identificar e remover todo o tumor, preservando a pele sã em torno da lesão. A técnica consiste em retirar o cancro da pele, camada por camada e, examinar cada uma delas ao microscópio, até que se obtenha margem livre, ou seja, até à remoção completa do tumor (o nível de precisão e acerto pode chegar a 99%). Esta precisão é possível já que praticamente 100% das margens são analisadas pelo microscópio, durante a cirurgia. Após a obtenção da margem livre, é realizada a reconstrução da ferida (resultante da extração do tumor).
Desta forma, a principal vantagem da Cirurgia Micrográfica de Mohs em relação à cirurgia convencional, relaciona-se com o controlo microscópico das margens do tumor durante a cirurgia, garantindo a remoção de todo o tumor sem qualquer agressão ou extração da pele normal. Na cirurgia convencional o tumor é retirado com margens de segurança e enviado para a anatomia patológica, cujo resultado é fornecido habitualmente entre 1-2 semanas. 
Como a remoção do tumor é estabelecida apenas pela visualização do dermatologista, o risco de permanecerem alguns resíduos cancerígenos pode existir e é definitivamente superior relativamente à cirurgia Mohs.
Esta questão da “extensão da margem de segurança da extração” sempre foi muito discutida na cirurgia dermatológica; margens exíguas tendem a deixar restos tumorais, mas facilitam a reconstrução, enquanto margens alargadas tendem a retirar completamente os tumores, mas podem produzir sequelas funcionais ou mesmo estéticas, sendo que as margens cirúrgicas alargadas nem sempre garantem a total extirpação tumoral. Em suma, o conceito de “margem de segurança” baseia-se na suposta predição do crescimento tumoral subclínico, o qual, na realidade, não pode ser antecipado apenas com o auxílio do exame comum. 
Para a realização da cirurgia micrográfica de Mohs é necessário que o médico tenha conhecimentos profundos de histologia cutânea – que permitem a análise microscópica da pele durante a cirurgia, garantindo a remoção completa do cancro, mesmo em áreas que não são visualizadas clinicamente – mas igualmente conhecimentos de cirurgia, assim como de técnicas de reconstrução. 
A Cirurgia de Mohs também é muito utilizada em colaboração com outras especialidades como a Cirurgia Plástica, Oculoplástica ou Otorrinolaringologia para uma abordagem multidisciplinar em casos complexos

O nome cirurgia micrográfica relaciona-se com o mapeamento e a orientação precisos realizados durante a cirurgia de Mohs, o que permite retirar o tumor e, ao mesmo tempo, o exame, conforme descrito acima. O termo Mohs deve-se ao nome do criador da técnica, Frederic E. Mohs, que a iniciou nos anos 30 do séc. passado.
Contudo, com o desenvolvimento tecnológico na medicina, esta técnica sofreu grande transformação, em especial com a utilização do criostato, aparelho que permite congelar e realizar os cortes da pele, para que seja realizado o exame do tumor durante a cirurgia.
A cirurgia de Mohs é indicada para os carcinomas basocelulares considerados de baixo risco de recidiva, quando o objetivo for preservar a pele sã. 
Seja para reduzir o tamanho da cicatriz, como para áreas em que não existe pele em excesso para realizar a reconstrução, como acontece por exemplo, nas regiões auriculares (orelhas), nas pálpebras e na glande.

A CIRURGIA DE MOHS É AINDA INDICADA EM:

  • Carcinomas basocelulares 
    de risco aumentado para recidiva;
  • Carcinomas espinocelulares (ou de células escamosas);
  • Dermatofibrossarcoma protuberans;
  • Lentigo Maligno;
  • E alguns tumores mais raros da pele.

Para assegurar a qualidade e a certificação pela técnica Mohs, os cirurgiões realizam estágios através de um programa rigoroso de 1 a 2 anos, após a especialidade.
O Dr. Tiago Mestre é um dos dois cirurgiões portugueses com formação nesta técnica, tendo sido bolsista da British Society of Dermatological Surgery e o único dermatologista no país que integra o prestigiado American College of Mohs Surgery.