tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h00m

Urgent Care

Hospital Particular Gambelas

00h00m

Urgent Care

00h00m

Paediatrics

Hospital Particular da Madeira

00h00m

Urgent Care

00h00m

Paediatrics

Madeira Medical Center

00h00m

Urgent Care

Dr. André Galvão
de Castro

Psicólogo Clínico 
 

Dr. André Galvão de Castro

Stress pós-traumático
Na gravidez e pós-parto

HPA Magazine 16

 

A propósito do “Dia da Saúde Mental Materna”, comemorado a 3 de maio, salienta-se a importância de toda a comunidade estar atenta quanto às alterações emocionais da mulher, não somente no período de gravidez, mas também durante o pós-parto, por ser um momento extremamente delicado nas suas vidas.


Stress pós-traumático Na gravidez e pós-parto


 

Apesar de se saber atualmente que este é um momento de maior vulnerabilidade durante a vida da mulher, por todas as alterações fisiológicas, físicas e psicológicas que ocorrem nesta fase e, por se lhe estar associado algumas patologias como a ansiedade e a depressão, sabe-se atualmente que o stress pós traumático (SPT) ocupa aqui também um papel muito importante, não devendo ser subvalorizado, na medida em que poderá igualmente estar presente e desenvolver-se, limitando assim a um nível considerável a autonomia e o bem-estar da mulher. 
O SPT é caraterizada como uma perturbação que ocorre após se experienciar ou testemunhar uma situação de risco de vida ou que coloque em causa a integridade física ou psíquica da pessoa e por isso a obrigatoriedade em ser diagnosticado na sequência de algum evento traumático ou stressante.
Ao longo da vida, o SPT apresenta uma maior prevalência no sexo feminino e manifesta-se por períodos de stress mais prolongados.
Os sintomas, de um modo geral, passam pela: a) revivência do trauma, em que a mulher é confrontada com pensamentos ou memórias intrusivas e que muitas vezes surgem de forma persistente; b) evitamento e embotamento afetivo em que a mesma evita situações, lugares ou pessoas que a façam recordar algum momento traumático e c) hipervigilância, na qual a mulher se encontra constantemente em estado de alarme, sempre atenta e em modo defensivo, como forma de se prevenir de um possível ataque ou ameaça.

Esta perturbação pode ocorrer em qualquer idade, com início após o primeiro ano de vida e os sintomas com frequência têm início nos primeiros 3 meses após o trauma, podendo por vezes haver um atraso de meses até se preencherem todos os critérios de diagnóstico.
O SPT é muitas vezes desvalorizado, passando até de um modo despercebido, pois a mulher evita de algum modo confrontar-se com os elementos desencadeantes de stress, por ser desagradável e bastante limitativo para a sua vida.
Assim, torna-se evidente a necessidade de quando se inicia o planeamento de uma gravidez, que a mulher procure resolver, junto dos profissionais existentes, os seus fantasmas internos, para que os mesmos não se exacerbam e se evidenciem de um modo negativo, durante aquele que deve ser um dos momentos mais bonitos da sua vida.