tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h00m

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

00h01m

Atendimento Urgente

Superior a 1H30

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

Superior a 1H30

Atendimento Urgente

00h44m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h00m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Dra. Ana Cecília Gonçalves

Terapeuta da Fala

 

 

 

 

Dra. Ana Cecília Gonçalves

Dra. Ana Filipa Murteira

Terapeuta da Fala

 

 


 

 

Dra. Ana Cecília Gonçalves

O papel da terapia da fala no doente com acidente vascular cerebral


HPA Magazine 16


O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma doença cerebral, de instalação súbita, causada pela interrupção do fornecimento de sangue ao cérebro, devido a um bloqueio (chamado AVC isquémico) ou rompimento (chamado AVC hemorrágico) de uma artéria cerebral. Dados da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral indicam que o AVC continua a ser a principal causa de morte e incapacidade em Portugal. Estima-se que cerca de dois terços dos doentes que sofreram um AVC fiquem com sequelas motoras, cognitivas ou comportamentais, com consequências importantes ao nível social, familiar e profissional. 
O papel da reabilitação no pós-AVC é determinante na recuperação dos doentes, de forma a melhorar a sua funcionalidade e qualidade de vida. A Terapia da Fala é parte integrante da vasta equipa de reabilitação, estando envolvida em todas as etapas da recuperação com o objetivo de avaliar e intervir nas dificuldades de comunicação e deglutição destes doentes. 
Mas como se caracterizam as dificuldades de comunicação e deglutição no doente com AVC? Como pode o Terapeuta da Fala ajudar estes doentes na sua recuperação? 


O papel da terapia da fala no doente com acidente vascular cerebral


 

COMUNICAÇÃO: LINGUAGEM E FALA
A comunicação é um elemento fundamental da cognição humana, através da qual expressamos necessidades, emoções e opiniões, que fazem de cada um de nós um ser individual, social e participativo. A comunicação (verbal ou não-verbal) é dependente de uma rede complexa de estruturas e processos cerebrais. Ao atingir determinadas áreas cerebrais, o AVC pode conduzir às dificuldades de comunicação. 
Estas dificuldades de comunicação podem, de forma geral, ser devido a uma afetação de áreas do cérebro envolvidas na linguagem – a que se dá o nome de Afasia, e/ou a uma afetação de áreas do cérebro envolvidas na fala – a que se dá o nome de Disartria. 

AFASIA 
A Afasia é uma perturbação adquirida da linguagem, na sequência de uma lesão no cérebro, das quais se destaca o AVC. A Afasia afeta a capacidade de uma pessoa em se expressar quando fala e/ou compreender o que os outros dizem. Pode igualmente afetar a capacidade de ler, escrever e fazer gestos. Estima-se que cerca de 25% dos doentes possam ficar afásicos após um AVC.
Os sintomas de Afasia variam de indivíduo para indivíduo, mas de forma geral, pode-se apontar como sintomas mais comuns: 

  • Dificuldade em encontrar as palavras ao falar, embora se saiba o que se quer comunicar
  • Substituir palavras ou sons ao falar, por exemplo dizer “leite” em vez de “sumo”
  • Falar utilizando frases curtas ou incompletas
  • Dificuldade em compreender o que os outros dizem 
  • Dificuldade em compreender o que se lê ou em ler em voz alta
  • Dificuldade em escrever palavras ou frases 
  • Dificuldade em gesticular ou compreender os gestos feitos pelos outros

Ao afetar a capacidade de linguagem, a Afasia compromete a comunicação, participação e autonomia nas atividades diárias, papeis sociais e familiares, com consequências psicossociais importantes. 
A intervenção do Terapeuta da Fala com as pessoas com afasia e familiares/cuidadores é determinante para a recuperação da linguagem e desenvolvimento de estratégias de comunicação que ajudem a pessoa com a afasia a comunicar o mais eficazmente possível. 
Para além da intervenção direcionada à pessoa com afasia, o Terapeuta da Fala tem um importante papel na educação de outros profissionais da equipa multidisciplinar e familiares/cuidadores/amigos sobre estratégias comunicativas que possam potenciar a comunicação com a pessoa com afasia. 

DISARTRIA 
Para falarmos de forma clara, é necessário um controlo adequado da musculatura oral e respiratória. A Disartria é então definida como a dificuldade em utilizar esta musculatura durante a articulação da fala. A Disartria é uma sequela muito comum após o AVC (uma prevalência de cerca de 60%), embora o grau de afetação da inteligibilidade da fala varie consideravelmente entre os doentes com Disartria. 
De forma geral, pode indicar-se como sintomas mais comuns: 

  • Falar devagar ou “arrastar” as palavras ao falar
  • Falar muito baixo ou sussurrado ou com a sensação de voz estrangulada
  • Dificuldade em produzir determinados sons ao falar
  • Alteração na entoação das palavras ao falar
  • Dificuldade na mobilidade dos lábios, língua ou outros músculos orofaciais

Após a avaliação, o tipo de reabilitação mais adequado será ajustado de acordo com a severidade do caso e características do quadro, podendo centrar-se, por exemplo, na recuperação das funções de fala perturbadas ou, em casos severos, na implementação de estratégias comunicativas aumentativas ou alternativas. 

 

DEGLUTIÇÃO
A deglutição é um processo fisiológico complexo, que garante o transporte seguro do alimento desde a boca até ao esófago, evitando a passagem do mesmo para as vias aéreas. O processo de deglutição é controlado por mecanismos neurológicos, musculares e sensoriais, os quais podem ser afetados pela ocorrência de um AVC.  
A Disfagia acontece quando existe uma alteração neste processo de deglutição. A Disfagia é uma importante complicação do AVC agudo, afetando entre cerca de 30 a 55% dos doentes. Dependo da severidade da situação clínica, a Disfagia pode permanecer como um problema crónico, com prejuízo para a qualidade de vida do individuo. De referir que o paciente com Disfagia apresenta um risco 3 a 7 vezes maior de pneumonia por aspiração (ou seja, pneumonia por entrada de alimento na via respiratória e pulmões), aumentando o risco de complicações clínicas, o tempo de internamento hospitalar e até a possibilidade de morte. É comum que, após o AVC, ocorram alterações de sensibilidade que podem conduzir a aspiração silenciosa, sem qualquer sinal como a tosse ou engasgo, pelo que nestes casos o risco de pneumonia é agravado.
De forma geral é importante estar alerta para sintomas e sinais de Disfagia, tais como:

  • Dificuldade em controlar a saliva;
  • Dificuldade em segurar o alimento na cavidade oral (boca); 
  • Sensação de alimento preso na garganta ou necessidade de expelir conteúdo alimentar; 
  • Ficar com o alimento na boca depois de engolir;
  • Deglutir várias vezes para um bolo alimentar pequeno;
  • Não ser capaz de mastigar os alimentos;
  • Demorar muito tempo para engolir ou completar uma refeição; 
  • Tossir antes, durante ou após (imediata ou tardia) a deglutição;
  • Voz “estrangulada” ou “molhada ou gargarejada” após a deglutição;  
  • Pneumonias de repetição;
  • Pneumonias sem causa aparente; 
  • Febre sem causa aparente;

É fundamental que doentes com Disfagia sejam observados por um Terapeuta da Fala, para que possam ser avaliadas as dificuldades específicas de deglutição e implementado o tratamento mais adequado, o mais rapidamente possível, de forma a garantir a segurança da alimentação. 

Nesse sentido, o Grupo HPA colocou em prática uma triagem da Disfagia Orofaríngea que deve ser, entre outros, aplicada a pacientes com antecedentes/alterações neurológicas como no caso de ocorrência de um AVC, cuja a aplicação é realizada pela equipa de enfermagem, aquando da entrada nos nossos hospitais, definindo se deve ser avaliado pelo Terapeuta da Fala.
Neste processo o Terapeuta da Fala irá observar o doente a comer ou beber diversas consistências alimentares (sólidas, pastosas e líquidas), examinando a funcionalidade da deglutição, mas também e, de forma detalhada, os movimentos dos músculos envolvidos. Em muitos casos, a avaliação da deglutição poderá ser complementada com um exame médico, feito pelo Otorrinolaringologista e Terapeuta da Fala, usando uma pequena câmara, inserida através do nariz, que possibilita a visualização da laringe, faringe e parte do esófago e que serve para avaliar a morfologia, sensibilidade e mobilidade das estruturas e músculos durante a deglutição. 
A reabilitação será sempre de acordo com as dificuldades específicas de cada paciente e pode, de forma geral incluir modificações à dieta (por forma a garantir que apenas consistências alimentares seguras são ingeridas), técnicas e estratégias para uma deglutição segura e exercícios direcionados para fortalecer os músculos envolvidos na deglutição. 
Concluímos relembrando da importância dos três F ’s na identificação dos sinais de alerta para a ocorrência de AVC, devendo contactar imediatamente os serviços de emergência: Face descaída, dificuldade em Falar e perda de Força num dos lados do corpo. 
Caso tenha sofrido, ou conheça alguém que tenha sofrido um Acidente Vascular Cerebral e apresente dificuldades na comunicação ou deglutição, procure um Terapeuta da Fala.