tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h00m

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

00h00m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h00m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h00m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Dr. João Paulo Sousa

Ortopedista
Coordenador do
Departamento

 

 

Dr. João Paulo Sousa

Túnel Cárpico
Incapacitante
Quanto resolúvel


HPA Magazine 16


A síndrome do túnel cárpico é uma das patologias mais frequentes do dia-a-dia de um ortopedista.  
A doença é caraterizada pelo surgimento de formigueiros e dormência na mão, com um horário carateristicamente noturno e matinal. O doente acorda com as mãos dormentes, ou numa fase mais adiantada, é-lhe interrompido o sono com a dormência e dor nas mãos. O primeiro tratamento passa pela colocação de umas talas noturnas, preferencialmente feitas à medida, que muitas vezes evitam, ou adiam a cirurgia.


Túnel Cárpico Incapacitante Quanto resolúvel


 

O diagnóstico é fundamentalmente clínico, a eletromiografia só é necessária em casos de dúvida ou por motivos médico-legais.
A cirurgia está indicada quando o tratamento conservador falha. 
O sinal de alarme, que incute alguma urgência à cirurgia, é o caráter permanente da ausência de sensibilidade. De uma forma coloquial, uma coisa é um nervo em que as fibras ligam e desligam, há momentos em que a mão está normal, outros em que há alteração da sensibilidade; outra, é aquele nervo em que algumas fibras já não ligam e que, se permanecerem desligadas muito tempo perderão a capacidade de recuperação; criam-se lesões irreversíveis e a falta de sensibilidade será permanente e irrecuperável. 
O tratamento cirúrgico passa pela realização de uma intervenção simples, podendo ser efetuada sob anestesia local, em regime de ambulatório. Esta cirurgia consiste na secção de um ligamento, o flexor retinaculum, que encerra o canal cárpico, de forma a descomprimir o nervo e assim resolver as queixas do doente.
A recuperação é rápida, a mobilidade e a destreza não se perdem, havendo a capacidade de realizar todas as atividades que não impliquem o uso de força. A força é a última função a ser recuperada.

O doente sai da cirurgia com um penso grande que lhe limita o uso da mão, no entanto, no segundo dia após a cirurgia este penso é substituído para um mais pequeno que lhe permite realizar quase todas as atividades da vida diária. Deve evitar molhar o penso até ao décimo dia, altura em que fica sem penso aguardando que os pontos caiam espontaneamente. 
O doente é estimulado a realizar exercícios de mobilidade ativa e a combater o edema (inchaço) pela elevação da mão.
A cirurgia bilateral, em casos de atingimento bilateral, é incentivada por nós. Esta é uma ideia que, à partida, é mal recebida pelos doentes. Porém, quando inquiridos a posteriori, maioritariamente consideram uma boa opção. Tem a vantagem de encurtar períodos de baixa, ser mais económico e proporcionar uma recuperação mais rápida pelo uso necessário das mãos.
Raramente há necessidade de fisioterapia e a recidiva é pouco frequente.