tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h15m

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

01h02m

Atendimento Urgente

00h25m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h26m

Atendimento Urgente

01h07m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h18m

Atendimento Urgente

Dra. Maria José Passos

Oncologista
 

Dra. Maria José Passos

Melanoma cutâneo:
Saiba mais, proteja-se melhor!

HPA Magazine 18


Apesar de ser um tumor relativamente raro – representa 5 a 10% dos cancros cutâneos – o melanoma é o mais letal, sendo responsável por cerca de 80% das mortes por cancro cutâneo.
Por ter origem nas células responsáveis pela produção da melanina – os melanócitos – este tumor maligno apresenta-se quase sempre com uma cor castanho escura ou mesmo negra. 
No início da doença, habitualmente não apresenta sintomas; poderão ocorrer algumas alterações morfológicas ao nível dos sinais (nevos) suspeitos, nomeadamente o seu aumento, alteração da cor, assimetria dos bordos, ulceração ou sangramento. 


Melanoma cutâneo


 

Apesar de ser um tumor relativamente raro – representa 5 a 10% dos cancros cutâneos – o melanoma é o mais letal, sendo responsável por cerca de 80% das mortes por cancro cutâneo.
Por ter origem nas células responsáveis pela produção da melanina – os melanócitos – este tumor maligno apresenta-se quase sempre com uma cor castanho escura ou mesmo negra. 
No início da doença, habitualmente não apresenta sintomas; poderão ocorrer algumas alterações morfológicas ao nível dos sinais (nevos) suspeitos, nomeadamente o seu aumento, alteração da cor, assimetria dos bordos, ulceração ou sangramento. 
O Melanoma pode atingir qualquer grupo etário, sendo relativamente frequente em adultos jovens (<35anos). O risco de desenvolver melanoma é sobreponível nos dois sexos, com maior prevalência na raça caucasiana. 
Na mulher o melanoma localiza-se preferencialmente nos membros inferiores e no homem a localização habitual é o tronco, embora possa ocorrer em qualquer parte do corpo. 
As pessoas de pele clara, sardentas, ruivas ou louras, de olhos claros, nevos atípicos, com história de exposição solar intensa e intermitente, de “escaldões”, sobretudo na infância, têm um maior risco de desenvolver este tipo de cancro.
A cirurgia é o tratamento de eleição do melanoma em fase inicial - estádios I e II, com uma taxa de cura que ronda os 90%. 
Contudo, os melanomas são considerados de alto risco, quando o seu diagnóstico é realizado no estádio III. No estádio IV existe metastização sistémica, sendo a sua abordagem terapêutica distinta e mais complexa.
Faça do sol um aliado. Não se perca por ele
Na época balnear, nunca é demais chamar nunca é demais lembra:
- Evite a exposição solar intensa e prolongada (escal¬dões) e sem proteção
- Use óculos escuros, protetor solar com fator superior a 30, uma camisa de preferência escura, chapéu de pala com proteção das orelhas
- Não se exponha ao sol entre as 12-16h
- Proteja especialmente as crianças, pois são mais sensíveis à radiação solar.
Tratamentos menos invasivos e mais eficazes
A partir de 2011, começaram a surgir novos fármacos, com diferentes mecanismos de ação, que demonstraram pela 1ª vez um aumento da sobrevivência global, em doentes com melanoma avançado. Foi o caso das terapêuticas dirigidas para os doentes com mutação no gene BRAF e da imunoterapia. Ao contrário da quimioterapia, a imunoterapia atua sobre o hospedeiro e não diretamente sobre o tumor, modulando as respostas imunológicas do organismo, de modo a que este consiga lutar de forma mais eficaz e duradoura contra o melanoma.
A imunoterapia e as terapêuticas alvo no tratamento do melanoma avançado levaram a um aumento de sobrevivência global e a respostas duradouras, transformando muitas vezes uma doença agressiva em doença crónica com poucos sintomas. 
Atualmente em Portugal tratamos os nossos doentes com estes novos agentes (inibidores BRAF+ inibidores MEK e imunoterapia) e participamos em vários ensaios clínicos multicêntricos internacionais em melanoma avançado. 

Sinais de Alerta - ABCDE

Os excelentes resultados atingidos com os tratamentos dirigidos e com a imunoterapia em melanoma avançado encorajaram à realização de novos ensaios clínicos, com os mesmos agentes, mas agora em contexto adjuvante após cirurgia nos melanomas de alto risco. Sabe-se que estes doentes em estádio III (IIIA-B-C-D) ao diagnóstico (doença loco-regional, com envolvimento dos gânglios linfáticos regionais) têm risco acrescido de recidiva local ou à distância após ressecção cirúrgica. A sobrevivência aos dez anos para este grupo de doentes varia bastante, consoante o grau de atingimento ganglionar: se micrometástase é de 30-70%, mas para os doentes com metástases ganglionares clinicamente evidentes não ultrapassa os 20-40%. Por esse motivo têm sido testadas com êxito, novas estratégias terapêuticas, em contexto adjuvante à cirurgia, de forma a evitar o aparecimento de metástases a distância e a melhorar a sobrevivência e qualidade de vida destes doentes. 
Na verdade, estes ensaios foram positivos e entraram rapidamente na prática clínica em quase todos os países. Em Portugal receberam recente aprovação do Infarmed e já estão a ser utilizados nos nossos hospitais, o que é uma excelente notícia para os doentes portugueses e representa um marco importante na terapêutica do melanoma.
Deixo uma mensagem de esperança e otimismo a todos os portugueses e em especial aos nossos doentes com melanoma. 
O advento da imunoterapia com inibidores de “checkpoint” e as terapêuticas dirigidas anti- BRAF, mudaram radicalmente a história natural do melanoma, destronando definitivamente a quimioterapia antineoplásica e demonstrando uma eficácia incomparável, em contexto metastático e também adjuvante, nos estádios III e mais recentemente IIB e IIC. 
Temos ainda pela frente enormes desafios, mas vamos no bom caminho e a revolução vai continuar.
Todos os doentes com melanoma avançado devem ser encorajados a participar em ensaios clínicos com novos fármacos.