tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h20m

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

01h07m

Atendimento Urgente

00h30m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h27m

Atendimento Urgente

01h12m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h23m

Atendimento Urgente

Dr. Luís Gonçalves

Pediatra & Neonatologista 
Diretor do Departamento 

 

Dr. Luís Gonçalves

Prevenir o afogamento em idade pediátrica

HPA Magazine 18


A morte por afogamento é a segunda causa de morte acidental nas crianças, com a maioria dos casos a ocorrer nos meses de junho, julho e agosto. É um processo muito rápido e silencioso, ocorrendo mais frequentemente em piscinas e praias (fluviais e costeiras) mas também dentro das habitações - uma criança pequena pode afogar-se em menos de um palmo de água, como num balde, por exemplo. Considerando a gravidade dos eventos (morte ou danos neurológicos permanentes), torna-se fundamental a vigilância apertada das crianças nos ambientes em redor de ambientes de risco.


Prevenir o afogamento em idade pediátrica


 

Que medidas podemos, então, adotar para minimizar os casos de afogamento?
1. Identificar grupos de maior risco: grupo etário dos 0-4 
anos, sexo masculino, doenças crónicas adjacentes (epilepsia, arritmias cardíacas)
2. Reconhecimento dos locais mais problemáticos: 
piscinas, seguidas de rios, ribeiras e lagoas e, por fim, as praias. Em casa, baldes ou depósitos com água, banheiras cheias.
3. Apostar na prevenção a múltiplos níveis:
• Ambiente físico: minimizar contacto com espaços potencialmente perigosos por meio da instalação de proteções físicas, como portões de fecho automático e vedações em redor das piscinas, tanques e poços. 
• Parental: supervisão constante das crianças nas imediações de locais de risco, evitar a presença de bonecos ou boias dentro de água (que possam atrair a criança). Desincentivar mergulhos sem o prévio conhecimento da profundidade da água.
• Desenvolvimento de competências na criança/adolescente: saber identificar o perigo, promover noção básicas de natação (em especial após os 12 meses de idade), segurança aquática e de salvamento seguro, estimular o pedido de ajuda precoce, evitar áreas sem supervisão.  
• Uso de material apropriado: dispositivos de flutuação pessoal (coletes salva-vidas).
4. Pais e cuidadores com treino em reanimação cardiorrespiratória.
5. Aumentar a sensibilização do público e destacar a vulnerabilidade das crianças.

O afogamento é, na larga maioria dos casos, evitável. Enquanto pais, temos a obrigação de reconhecer a necessidade de instituir medidas preventivas para que os nossos filhos possam brincar e conviver num ambiente seguro e saudável.