tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

Superior a 1H30

Atendimento Urgente

Hospital Particular Gambelas

Superior a 1H30

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

01h04m

Atendimento Urgente

00h00m

Pediatria

Madeira Medical Center

00h00m

Atendimento Urgente

Enf. Diogo Vitorino

Internamento de Pediatria

 

 

Enf. Diogo Vitorino

Alerta inverno 
Prevenção da saúde respiratória infantil

HPA Magazine 21 // 2024

As infeções respiratórias agudas são umas das principais causas de morbilidade e mortalidade em crianças e representam 11,3% das mortes no mundo. Em Portugal no ano de 2023 mantém-se uma tendência crescente no número de internamentos por infeções respiratórias, em especial pelo Vírus Sincicial Respiratório (VSR), responsável pela infeção de 90% das crianças até aos dois anos de idade e com números globais de 33 milhões de infeções respiratórias agudas, das quais 3,6 milhões necessitam de internamento e cerca de 26 mil acabam mesmo por perder a vida devido a complicações.

 



 

Num contexto de retrocesso global das taxas de vacinação, esta é uma oportunidade para refletir sobre as vacinas que temos à nossa disposição, e como estas podem ser benéficas para o nosso bem-estar. O cumprimento eficaz do calendário de vacinação infantil é essencial, sendo o principal elemento responsável pela diminuição do coeficiente de mortalidade infantil e pela redução da incidência das inúmeras enfermidades contagiosas.
Com a chegada do inverno a Portugal, observamos um aumento significativo no número de crianças hospitalizadas devido a condições respiratórias, como a pneumonia, o Haemophilus Influenzae tipo b (Hib), o Staphylococcus Aureus e outras espécies bacterianas, além do Vírus Sincicial Respiratório (VSR), o Vírus da Parainfluenza Humana de tipo 1, 2 e 3 (PIV -1, PIV -2 e PIV -3), o Vírus Influenza e o Vírus da Varicela. Calcula-se que a maioria das infeções respiratórias agudas são ocasionadas por agentes virais.
A necessidade de discutir e implementar medidas preventivas e de intervenção eficazes torna-se ainda mais premente, considerando os desafios adicionais que esta estação impõe à saúde respiratória das crianças. 
Neste contexto, é fundamental promover a consciência sobre as práticas que podem ajudar a mitigar o impacto das condições respiratórias, não apenas para reduzir a incidência de hospitalizações, mas também para maximizar a saúde das crianças durante os meses de inverno.
Em primeiro lugar, a criação de um ambiente saudável, evitando a exposição das crianças a fumos e garantindo uma boa ventilação nos locais onde passam mais tempo. A prática regular da lavagem nasal com soro fisiológico, contribuindo para aliviar a congestão e manter as vias respiratórias desobstruídas. Outra estratégia eficaz consiste em elevar a cabeceira da cama durante o sono, especialmente se a criança apresentar dificuldades respiratórias. Esta simples modificação postural facilita a respiração durante o período noturno, reduzindo sintomas e melhorando a qualidade do sono dos mais pequenos. É crucial integrar estas práticas no quotidiano, dado que os cuidadores desempenham um papel ativo na promoção da saúde respiratória infantil. A otimização do ambiente domiciliário não apenas reduz o risco de complicações respiratórias, mas também cria um espaço propício à recuperação e ao bem-estar contínuo das crianças.
Para além disso, não se deve descurar a importância da limpeza e desinfeção regular de todos os compartimentos da casa, incluindo brinquedos. Evitar a acumulação de poeiras e microrganismos é essencial para prevenir infeções respiratórias. Promover a lavagem das mãos, especialmente após tossir e utilizar a casa de banho, antes das refeições e antes de tocar na boca, olhos e nariz, são práticas adicionais que contribuem significativamente para a criação de um ambiente saudável.
 

Em caso de doença respiratória torna-se necessário reconhecer os primeiros sinais de dificuldade respiratória em crianças para uma resposta eficaz e para preservar a saúde pulmonar. A observação atenta de alguns indicadores que abordaremos em seguida, servem como um guia para os pais e cuidadores, capacitando-os a tomar decisões rápidas e a procurar ajuda médica de forma oportuna.
A tiragem intercostal, infracostal e supraesternal, caracterizada pelo afundamento (“covinhas”) entre as costelas, são indicadores claros de que a criança está a realizar um esforço adicional para respirar. A tiragem indica um aumento do trabalho dos músculos respiratórios e deve ser prontamente reconhecida para evitar o agravamento da situação clínica da criança. O adejo nasal, ou seja, o alargamento das narinas durante a respiração, é um sinal de que a criança está a enfrentar uma resistência significativa nas vias respiratórias. Este reflexo é uma resposta instintiva para otimizar a entrada de ar e deve ser considerado como um alerta para a possibilidade de obstrução ou desconforto respiratório. O movimento de balanço da cabeça para a frente e para trás durante a respiração é uma tentativa natural de otimizar as vias aéreas. Este comportamento sugere desconforto e pode indicar a necessidade de uma avaliação mais aprofundada, especialmente se ocorrer de forma persistente. A presença de lábios cianosados, com uma coloração arroxeada/azulada, é um sinal claro de que a oxigenação do sangue pode estar comprometida. É um indicador crítico de dificuldade respiratória aguda e deve ser tratado como uma emergência médica. A observação de uma frequência respiratória acelerada, conhecida como polipneia, é outro sinal indicativo de que a criança pode estar a lutar para respirar. Uma respiração rápida e superficial pode ser um indicador precoce de desconforto respiratório e requer atenção imediata.
Ao compreender estes sinais, os pais e cuidadores adquirem uma ferramenta preponderante na promoção da saúde respiratória infantil. A rapidez na identificação e resposta a estes sinais pode fazer toda a diferença na intervenção e na prevenção de complicações mais graves. Importa salientar que, ao observar qualquer um destes sinais, é imperativo procurar assistência médica imediata. Os profissionais de saúde estão preparados para avaliar a gravidade da situação e iniciar intervenções adequadas. 
A educação contínua sobre estes sinais é essencial, capacitando os cuidadores para agirem como defensores proativos da saúde respiratória das crianças, contribuindo para um inverno mais seguro e tranquilo.