tempos médios de espera

Hospital Particular Alvor

00h45m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Gambelas

00h29m

Atendimento Permanente

00h16m

Pediatria

Hospital Particular da Madeira

00h22m

Atendimento Permanente

Madeira Medical Center

00h12m

Atendimento Permanente

Dr. Aguinaldo Andrade

Ginecologista Obstetra
Especialista em Senologia
 

A abordagem do cancro da mama ao longo dos tempos

HPA Magazine 9

 

O cancro da mama é uma entidade antiga mas heterogénea, representando uma doença com amplo espectro de potencial biológico. É conhecido desde as primeiras descrições em papiros egípcios no longínquo ano 3000 a.C., mas foi Hipócrates (460-370 a.C.) quem usou o termo cancro para descrever o aspeto do tumor e as suas projeções, a fazer lembrar as patas do caranguejo. Alguns séculos depois, Galeno (130-200 d. C.) determinou que nesta doença pouco havia a fazer, que era incurável, conceito que se manteve por pelo menos mais mil anos.
Só no século XV, no período da Renascença, a medicina começou a ter avanços significativos, na ciência e na arte, como Michelangelo a retratar na sua famosa a escultura "La Notte" uma mulher com cancro da mama, pelo aspeto disforme do seu seio


O cancro da mama deixou de ser considerado uma doença de humores (Hipócrates) e passou a ser encarada como uma doença local, na mama e, depois com raízes para a região axilar e posteriormente para o resto do corpo. Por isso, em grande parte do século XX a remoção loco-regional da doença (mastectomia radical - William Halsted) foi estabelecida como a operação do cancro da mama em todos os seus estádios, quer precoce, quer em fases mais avançadas.
As novas informações acerca da biologia do tumor e o seu comportamento sugeriram que a cirurgia de conservação da mama era tão eficaz como a cirurgia radical (Umberto Veronesi).
Isto aliado aos avanços na radioterapia que evoluiu de 2D para 3D e, para a irradiação acelerada parcial da mama, reduzindo a toxicidade no tecido mamário normal e encurtando a duração do tratamento.
Outro aspeto importante das novas tecnologias radioterápicas é a possibilidade desta terapia poder ser realizada durante a cirurgia e numa só sessão, permitindo que as mulheres beneficiem precocemente do tratamento trazendo-lhes maior qualidade de vida.
O Hospital Particular de Gambelas utiliza esta modalidade desde 2014, considerada uma das técnicas mais inovadoras no tratamento do cancro da mama. A radioterapia intraoperatória evita que a mulher se desloque diariamente a um centro de radioterapia durante cerca de 6 semanas como habitual nestas condições.
Além disso, está comprovado que esta dose única de tratamento aplicada após a remoção do tumor esteriliza as eventuais células tumorais residuais, apresentando menos toxicidade, menos lesões para a pele e áreas adjacentes, beneficiando por isso também o aspeto estético. 
A sul de Lisboa, o Hospital de Gambelas é a única unidade de saúde que tem tratado doentes com cancro da mama com radioterapia intraoperatória, demonstrando o seu empenho na inovação tecnológica, mas sobretudo a sua preocupação em participar em todas as possibilidades que possam com efetividade melhorar a qualidade de vida das mulheres com cancro da mama.
Nos últimos 50 anos, especialmente após as observações de Bernard Fisher, o cancro da mama é considerada uma doença sistémica, global e, a sua metastização de certo modo imprevisível. Foi a partir deste conceito que o tratamento sistémico na forma de hormonoterapia, quimioterapia e agentes biológicos se foi impondo e, é atualmente uma modalidade bem estabelecida, mas em constante inovação, no tratamento do cancro da mama.
As perspetivas atuais têm evoluído rapidamente com os crescentes estudos genéticos, moleculares e bioquímicos baseados na estrutura da célula doente, e com isso a aplicação cada vez mais rápida das novas terapêuticas biológicas. As terapêuticas-alvo inibem seletivamente vários mecanismos que originam o crescimento, a invasão e a metastização da célula tumoral. Estes conhecimentos irão certamente fazer diminuir ainda mais o número de doentes que perdem a vida por causa do cancro da mama.

O QUE É A RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA

A radioterapia Intraoperatória engloba a administração de níveis terapêuticos de radiação, diretamente no local de onde foi retirado (minutos antes) um tumor da mama. Esta terapêutica é executada imediatamente após a intervenção cirúrgica, enquanto os tecidos ainda estão expostos, poupando a área circundante. 
O objetivo é melhorar o controlo local da extração tumoral, contributo importante na taxa de sobrevivência da doente. Por ser executado como ato médico imediato à cirurgia, tem ainda a vantagem dos clínicos afastarem temporariamente os órgãos vizinhos ou protegê-los da exposição à radiação, anulando o risco de que quantidades microscópicas da doença permaneçam. Além disso, este método esteriliza as eventuais células tumorais residuais, apresentando menos toxicidade, menos sequelas para a pele e as regiões mamárias periféricas, contribuindo para aumentar o efeito cosmético. 
Os atuais aceleradores lineares miniaturizados móveis são o grande trunfo deste método porque a eficácia biológica relativa dos raios X de baixa energia nas células tumorais é superior quando comparado com os raios X de alta energia, ou raios gama, que são emitidos por aceleradores lineares. 
Como a aplicação é pontual, a radiação produzida na sala de cirurgia é inferior, evitando-se a exigência de medidas adicionais protetoras contra as radiações. 

 

 


HOSPITAL DE DIA DE ONCOLOGIA
O Hospital de Dia de Oncologia do Hospital de Gambelas foi inaugurado em julho de 2011. Desde essa altura, já deu resposta a centenas de doentes e já foram realizadas mais de três mil sessões de tratamento, com destaque para a quimioterapia, imunoterapia, terapêuticas Alvo e hormonoterapia.
Os tratamentos de quimioterapia são comparticipados através de todas as seguradoras e subsistemas de saúde, com os quais o Grupo HPA Saúde tem convenção.
O Hospital de Alvor terá também brevemente um Hospital de Dia Oncológico que funcionará no 1º piso do novo edifico (Edifício B) e aproximadamente nas mesmas modalidades que a Oncologia do Hospital de Gambelas.