tempos médios de espera

Clínica Particular AlgarveShopping

00h07m

Atendimento Permanente

Clínica Particular de Vilamoura

00h04m

Atendimento Permanente

Hospital Particular Alvor

00h17m

Atendimento Permanente

00h00m

Pediatria

Hospital São Camilo Portimão

00h00m

Atendimento Permanente

Clínica Particular SIIPEMOR

00h00m

Pediatria

Clídis – Clínica de Diagnósticos de Sines

00h00m

Atendimento Permanente

Terapia da Fala



Prevenção, avaliação, tratamento e estudo científico da comunicação humana e perturbações relacionadas. 

Neste contexto a comunicação humana engloba todos os processos associados à compreensão e à produção da linguagem oral e escrita assim como todas as formas apropriadas de comunicação não-verbal. 

As perturbações reportam-se à fala e à linguagem, ao funcionamento auditivo, visual, cognitivo, muscular oral, respiratório, vocal e da deglutição.

O Primeiro passo no processo terapêutico envolve a abordagem compreensiva das áreas em que a pessoa apresenta alterações. A informação recolhida numa entrevista/avaliação inicial (anamnese) e baseada em relatórios de outros profissionais que deverão fazer parte da primeira consulta de Terapia da Fala, servirão de base para uma avaliação cabal.

Essa avaliação, baseada maioritariamente em testes padronizados, permitirá identificar as alterações existentes, determinar as capacidades e dificuldades e, a partir daí, junto com a família, definir o plano terapêutico que melhor se adequa. O plano inicialmente definido é frequentemente reavaliado e reajustado, se necessário.

Embora as sessões de Terapia da Fala sejam, de uma forma comum, individualmente com o utente, é recomendável a presença de um familiar/acompanhante nas sessões, de forma a obter idêntica informação e estratégias a utilizar em contexto diferente, fora das sessões.

A receptividade ao plano terapêutico inicialmente definido bem como o progresso face ao estágio inicial são regularmente avaliados, de forma a reajustar, se necessário, o respectivo plano e obter os resultados desejados o mais breve possível.


ÁREAS DE INTERVENÇÃO

A Intervenção do Terapeuta da Fala é feita junto de uma equipa interdisciplinar (Médico Otorrinolaringologista, Pediatra, Neurologista, Fisiatra, Ortodontista, entre outros).


Intervenção nos seguintes casos:
  • Perturbações da articulação (dificuldades em pronunciar sons de palavras, troca ou omissão de sons, entre outros);
  • Perturbações de fluência (gaguez);
  • Perturbações da interacção e comunicação (autismo);
  • Perturbações da linguagem escrita (dislexia, disgrafia, disortografia, entre outros);
  • Intervenção precoce em crianças com incapacidades (Síndrome de Down, paralisia cerebral, surdez, entre outros);
  • Dificuldades de alimentação (no que diz respeito à mastigação, ao engolir, a reter saliva; bebés com dificuldades de sucção; entre outros);
  • Perturbação da linguagem e/ou fala originados em lesão cerebral (Acidente Vascular Cerebral, Traumatismo Cranio-Encefálico);
  • desenvolvimento e manutenção de estratégias de comunicação em pacientes com alterações de linguagem (Esclerose Lateral Amiotrófica, Paralisia Cerebral);
  • Alterações da motricidade e/ou da sensibilidade oro-facial (Paralisia facial, doenças degenerativas, entre outros);
  • Alterações de voz (rouquidão frequente, esforço ao falar, entre outros sintomas - nódulos nas pregas vocais, pólipos, entre outras patologias).

SINAIS DE ALERTA 


Criança
  • Às 8 semanas não reage a sons correntes e mostra passividade;
  • Aos 18 meses não produz qualquer palavra;
  • Aos 24-30 meses ainda não executa ordens simples;
  • Aos 36 meses ainda não produz qualquer frase/produz discurso incompreensível para estranhos;
  • A criança tem mais de 4 anos e gagueja;
  • Apresenta voz rouca e esforço ao falar;
  • Troca/omite alguns sons enquanto fala;
  • Contacto ocular ausente ou reduzido;
  • Dificuldades no relacionamento e na interacção com outras crianças;
  • Apresenta dificuldades em mastigar alimentos;
  • Respira maioritariamente pela boca;
  • Apresenta dificuldades na leitura e na escrita.
 
Adulto
  • Rouquidão frequente, esforço ao falar (nódulos, pólipos nas pregas vocais, carcinoma laríngeo, entre outros);
  • Dificuldade em falar e compreender devido a lesão cerebral, doenças degenerativas (AVC, traumatismo crâneo-encefálico, esclerose lateral amiotrófica, entre outros);
  • Dificuldades de alimentação (no que diz respeito à mastigação, ao engolir, reter a saliva, entre outros);
  • Alterações da sensibilidade ou motricidade oro-facial (Paralisia facial, entre outros).

DISFAGIA 

A disfagia ou dificuldade em engolir  pode ser traduzida por engasgos enquanto come ou bebe; pela sensação de alimento preso na garganta; por dor durante a deglutição e/ou por dificuldades respiratórias durante as refeições .

Na maioria dos casos a disfagia pode levar à desidratação, desnutrição e/ou a pneumonia por aspiração.

A disfagia, entre outras causas, pode surgir na sequência de doenças neurológicas, de doenças oncológicas (cancro de cabeça e pescoço), na sequência do envelhecimento (presbifagia) e/ou por imobilidade prolongada, quer por envelhecimento quer por hospitalização prolongada.

Os sinais e sintomas mais comuns são então tosse, engasgos, perda de peso, qualidade vocal alterada; queda de alimento/saliva da boca.

Uma das técnicas mais inovadoras para o seu tratamento é o recurso à electroestimulação ou VitalStim Therapy.

O uso da electroestimulação envolve a aplicação de elétrodos na zona anterior do pescoço em simultâneo com a terapia tradicional.

Esta técnica permite que haja uma reeducação dos músculos da laringe  de modo que a seu nível motor e sensitivo seja restabelecido e a deglutição aconteça em segurança.

A electroestimulação permite que haja uma contração mais intensa de forma que a atividade muscular surja mais rapidamente em contexto de normalidade.

Além da melhoria da capacidade de deglutição, a aplicação desta terapia permite que haja uma aumento da intensidade vocal e melhoria a qualidade vocal.

A electroestimulação e/ou a VitalStim Therapy surge como uma nova forma de terapia potencializando as técnicas já utilizadas.

Para a aplicação da VitalStim Therapy é necessário ter formação especializada e certificada, de modo a garantir a correta aplicação.

 

especialidade disponível nas unidades

  • Hospital Particular do Algarve - Alvor
  • Hospital Particular do Algarve - Gambelas
  • Hospital São Camilo - Portimão
  • Clínica Medchique - Monchique
  • Clínica Particular AlgarveShopping
  • Clínica Particular de Vilamoura
  • Centro Médico Internacional - VRSA
  • CLÍDIS - Clínica de Diagnósticos de Sines
  • Clínica Particular SIIPEMOR
  • Clínica Particular do Algarve - Loulé
  • Clínica São Gonçalo de São Teotónio

médicos

Hospital Particular do Algarve - Alvor

Hospital Particular do Algarve - Gambelas

Hospital São Camilo - Portimão

Clínica Medchique - Monchique

Clínica Particular AlgarveShopping

Clínica Particular de Vilamoura

Centro Médico Internacional - VRSA

CLÍDIS - Clínica de Diagnósticos de Sines

Clínica Particular SIIPEMOR

Clínica Particular do Algarve - Loulé

Clínica São Gonçalo de São Teotónio